Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

EUA se abrem ao etanol do Brasil

A partir de 1º de janeiro, o combustível do Brasil terá acesso livre nos EUA pela primeira vez em mais de três décadas

Por Da Redação
24 dez 2011, 07h42

A decisão ainda vai demorar para surtir efeito positivo no mercado brasileiro

Após um ano conturbado, com queda na produção e preços em alta, a indústria brasileira de etanol termina 2011 com uma grande vitória: a abertura do mercado americano para o biocombustível. O Congresso dos Estados Unidos entrou em recesso na sexta-feira e não prorrogou a tarifa de importação e o subsídio para o etanol de milho, vigentes até 31 de dezembro.

Isso significa que, a partir de 1º de janeiro, o combustível do Brasil terá acesso livre nos EUA pela primeira vez em mais de três décadas. Além disso, é um importante passo para transformar o etanol numa commodity internacional. “É uma vitória histórica”, comemora o presidente da União da Indústria da Cana-de-açúcar (Unica), Marcos Jank.

A decisão é resultado de um longo trabalho de convencimento sobre os benefícios do etanol produzido com a cana-de-açúcar. Até agora, para entrar nos Estados Unidos, o combustível brasileiro tinha duas alternativas. Uma era seguir via Caribe, onde o etanol era processado e exportado, sem nenhuma barreira. Outra era pagar 54 centavos de dólar de tarifa para cada galão exportado aos americanos.

Isso sem contar os subsídios que os distribuidores recebiam para garantir a competitividade do etanol do milho (45 centavos de dólar por galão misturado à gasolina). Essa política, adotada em 1979 pelo governo de Jimmy Carter, custou 6 bilhões de dólares aos cofres públicos americanos ao ano e, na atual fase de pressão pelo ajuste fiscal, tornou-se injustificável.

Continua após a publicidade

Mas a decisão ainda vai demorar para surtir efeito positivo no mercado brasileiro. Nos últimos anos, a queda das tarifas e dos subsídios americanos era a notícia mais aguardada pelos produtores brasileiros, que mantinham representantes permanentes no Congresso americano. Mas a notícia pegou o setor num momento de baixo astral, com a produção interna em queda por falta de investimentos, baixa produtividade e quebra da safra. Só no etanol hidratado o recuo foi de 29%.

Jank acredita, no entanto, que o fim das barreiras pode ser o combustível que o setor precisava para dar a volta por cima e iniciar um novo ciclo de investimentos. Segundo ele, até 2020, o país precisará injetar 156 bilhões de reais para construir 120 novas unidades. Os números pressupõem o aumento das exportações de 1,5 bilhão para 13,5 bilhões de litros de etanol para os Estados Unidos, que representa 10% do consumo americano; a manutenção de 50% do mercado mundial de açúcar; e o abastecimento de 50% do mercado de carros flexfuel no Brasil.

(Com Agência Estado)

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.