Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia

Emprego na indústria recua 0,2% no primeiro trimestre

Em março, índice subiu 0,2% na comparação com fevereiro

Por Da Redação 10 Maio 2013, 10h03

O índice de emprego na indústria registrou ligeira alta de 0,2% em março na comparação a fevereiro, na série livre de influências sazonais, informou nesta sexta-feira o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Já em relação ao mesmo período do ano passado, houve queda de 0,6%. No acumulado do primeiro trimestre, o recuo foi de 0,2% ante o último trimestre de 2012. Na comparação ao mesmo período do ano passado, a queda no trimestre foi de 1% – sexto resultado negativo nessa base de comparação.

A pesquisa do IBGE divide o país em 14 regiões. Em nove delas, em comparação com o ano passado, houve queda no número de postos de trabalho. O pior resultado foi o de Pernambuco: o emprego industrial caiu 6,3% no estado. Outras regiões que tiveram impactos negativos importantes foram Bahia (-4,5%), Nordeste (-3,7%) e Rio Grande do Sul (-2,3%).

Quando a produção industrial brasileira é dividida em setores, a pesquisa mostra que o emprego recuou em 12 dos 18 ramos pesquisados em relação a fevereiro. O setor de calçados e couro foi o que teve pior desempenho, com queda de 6,3%. Também houve pressão negativa no segmento de vestuário (-5,5%), madeira (-4,7%), produtos têxteis (-4,3%) e indústria da transformação (-4%).

Pagamentos – O valor da folha de pagamento real dos trabalhadores da indústria recuou 0,5% ante fevereiro. No confronto com igual mês do ano anterior, o valor da folha de pagamento real cresceu 2,5% em março. O número de horas pagas também foi menor em março, tanto comparando com fevereiro quanto com o mesmo mês em 2012. A pesquisa do IBGE mostrou uma variação negativa de 0,4% frente ao mês anterior. Com relação ao ano passado, a queda foi de 1,5%.

Leia também:

Indústria brasileira tem em abril pior expansão em seis meses, aponta instituto

Emprego industrial recua 1,4% em 2012, segundo IBGE

Emprego: o fenômeno que poderia mudar o Brasil – mas não mudou

INPC sobe 0,6% em março e emprego na indústria fica estável

Continua após a publicidade
Publicidade