Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Emprego cai para menor nível em 7 anos na zona do euro

Ao todo 145,1 milhões de europeus estavam empregados na região no fim do primeiro trimestre, o menor número desde desde o quarto trimestre de 2005

Uma queda acentuada no número de pessoas contratadas na zona do euro levou o emprego da região para seu nível mais baixo em mais de sete anos no primeiro trimestre, conforme divulgou nesta sexta-feira a Eurostat, agência de estatísticas da União Europeia.

O número de pessoas empregadas nos 17 países caiu 0,5% no primeiro trimestre em comparação com os últimos três meses de 2012, para 145,1 milhões de europeus, o maior recuo trimestral desde o segundo trimestre de 2009. Este é o nível mais baixo desde o quarto trimestre de 2005.

Os piores resultados referem-se à Grécia, onde o número de pessoas empregadas caiu 2,3% na comparação trimestral, e a Portugal, onde recuou 2,2%. Espanha, Chipre e Itália, todos viram quedas de mais de 1%. Por outro lado, as economias mais resistentes com fardos de dívida menos significativos, como a Alemanha e a Áustria, continuaram a registrar um crescimento no emprego.

Leia mais:

Espanha tem maior queda no desemprego no mês de maio

Produção industrial da zona do euro sobe 0,4% em abril

Ainda nesta sexta-feira, a Eurostat confirmou suas leituras preliminares de inflação para maio da zona do euro. O índice de preços ao consumidor (CPI, na sigla em inglês) subiu 1,4% em maio ante o mesmo mês do ano anterior. Em abril, o índice de preços havia subido 1,2%. Apesar desta aceleração, o índice de inflação na Eurozona está muito longe de seu nível de um ano atrás, que era de 2,4% em maio de 2012.

(com Estadão Conteúdo)