Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Emilio Botín confirma demissão de analista do Santander que escreveu texto que desagradou Dilma

Presidente do grupo disse que 'a pessoa foi demitida', ao ser questionado sobre a análise com perspectivas econômicas ruins caso a presidente seja reeleita

O presidente do Conselho do Santander, Emilio Botín, confirmou nesta terça-feira que uma pessoa foi demitida do Santander Brasil devido à nota enviada a clientes de alta renda com comentários negativos sobre o governo Dilma Rousseff e as perspectivas econômicas ruins caso ela se reeleja. “A pessoa foi demitida”, disse Botín a jornalistas nesta terça-feira, recusando-se a dar mais informações a respeito.

Na sexta-feira, a imprensa divulgou os comentários enviados pelo Santander Brasil junto com o extrato bancário de cerca de 40.000 clientes do segmento Select, de renda superior a 10.000 reais. Intitulado Você e Seu Dinheiro, o texto afirmava que se a presidente (Dilma Rousseff) subir ou se estabilizar nas pesquisas de intenção de voto, o câmbio se desvalorizará e a bolsa reverterá parte das altas recentes.

Leia também:

Rodrigo Constantino: PT inicia caça às bruxas: alvo agora é Empiricus Research

Rodrigo Constantino: Caso Santander mostra como Brasil já se aproxima do bolivarianismo

Reinaldo Azevedo: Terror petista: partido e governo pedem guilhotina para funcionários do Santander

O teor dos comentários provocou pronta reação do Palácio do Planalto e do PT, o que levou o Santander Brasil a publicar uma nota com um desconfortável pedido de desculpas. Em sabatina promovida pelo jornal Folha de S. Paulo na segunda-feira, a presidente classificou o direito a liberdade de expressão da equipe de análise do banco como “inadmissível” e disse que cobraria pessoalmente explicações do presidente do banco.

No mesmo dia em que o governo se armou contra o Santander, o PT silenciosamente protocolou uma representação contra a consultoria de investimentos Empiricus Research no Tribunal Superior Eleitoral (TSE). A justificativa foi a mesma que a usada pelo presidente do PT, Rui Falcão, para recriminar o banco espanhol: “terrorismo eleitoral”. Ou, de forma mais sofisticada, “fazer manifestações que interfiram na decisão de voto”.

Leia também:

‘Sou pago para falar o que penso’, diz analista de consultoria cerceada pelo PT

(Com Reuters)