Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Economia já cresce em ritmo mais moderado, diz Mantega

O ministro da Fazenda, Guido Mantega, avalia que, apesar de seguir em expansão, o PIB desacelera em resposta às medidas tomadas pelo governo

Por Da Redação
3 jun 2011, 13h41

“Estamos caminhando para o crescimento mais moderado, que é sustentável no Brasil”, comentou o ministro da Fazenda, Guido Mantega

O ministro da Fazenda, Guido Mantega, avaliou nesta quarta-feira como muito positiva a expansão de 1,3% do Produto Interno Bruto (PIB) no primeiro trimestre de 2011, mas destacou que já há sinais de desaceleração, a qual deve ficar mais visível nos meses à frente.

Mantega declarou que o resultado dos primeiros três meses do ano revela que o PIB nacional mantém a vitalidade dos últimos anos, mas, ao mesmo tempo, reage às medidas do governo para conter a inflação. “Se olharmos abril e maio, perceberemos que a economia brasileira desacelerou um pouco mais. O segundo trimestre do ano vai ter crescimento menor do que 1,3%”, afirmou.

Para o segundo trimestre, o ministro espera um crescimento do PIB anualizado de cerca de 4,5%, ao passo que o resultado anualizado do primeiro trimestre foi de aproximadamente 5,5%. “Estamos caminhando para o crescimento mais moderado, que é sustentável no Brasil”, comemorou. “(Este ritmo menor) reflete uma acomodação da economia brasileira aos ajustes que nós fizemos”, ressaltou.

Continua após a publicidade

O ministro citou o desempenho do consumo como uma evidência de desaceleração da economia no primeiro trimestre. Segundo ele, estes gastos expandiram-se em um ritmo menor do que o restante da economia: alta de 0,6% no caso das famílias e de 0,8% nas despesas do governo. “É importante que as despesas do governo tenham crescido menos do que o PIB.”

Crédito – A perda de vigor no consumo dos brasileiros já é uma resposta, de acordo com o ministro, às ações adotadas pelo governo. Mantega destacou as medidas de contenção dos empréstimos bancários. No primeiro quadrimestre, a expansão do crédito deverá ser em torno de 13% – menor que o registrado no acumulado de janeiro a março, de 20%, e no e no patamar “desejado pelo governo”. O ministro da Fazenda descartou a adoção de novas medidas para conter o crédito neste momento, dizendo justamente que a economia já está em desaceleração.

Inflação – Diante destes números, Mantega mostra-se confiante de que a elevação dos preços na economia também perderá vigor. “A tendência é a acomodação da inflação em um patamar mais baixo até o final do ano”, declarou. Na avaliação dele, os índices atuais já demonstram redução das pressões inflacionárias.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.