Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

É hora de ocupar o lugar do BNDES, diz presidente do Bradesco

Em entrevista ao site de VEJA, Luiz Carlos Trabuco afirmou que o governo deve aproveitar o momento para tranquilizar o mercado: 'é hora de corresponder às expectativas'

Por Ana Clara Costa, de Davos 22 jan 2014, 13h26

O presidente do Bradesco, Luiz Carlos Trabuco, é figura recorrente no Fórum Econômico Mundial, em Davos. Quando se desloca até a pequena estação de esqui nos Alpes suíços, troca o terno sisudo de executivo por um traje mais à vontade (casaco, camisa e calça), mas não menos apropriado para o clima gelado da cidade. “Venho a Davos para aprender. Não a trabalho”, afirmou o banqueiro, que também aproveita o encontro, que reúne as cabeças coroadas do mundo dos negócios, para conversar com investidores. Em entrevista ao site de VEJA, Trabuco afirmou que a redução da participação do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) no credito às empresas abrirá espaço para o mercado de capitais. “A hora é de criar condições para ocupar o lugar do BNDES. Temos um espaço bem definido no Brasil. Mas vamos, sim, ganhar mercado”, afirmou. Confira trechos da conversa:

Os investidores ainda estão desapontados com o Brasil?

O sentimento que percebo é que o Brasil se impõe, principalmente devido ao mercado interno e ao bônus de infraestrutura que temos. É um país que vai produzir 200 milhões de toneladas de grãos este ano. Isso faz diferença. Eu não vejo nenhum investidor que desconsidere o Brasil e não queira aproveitar as oportunidades. Por outro lado, o mundo está numa transição. Os Estados Unidos retomaram o crescimento e a Europa se recupera. Então, o Brasil tem de se diferenciar ainda mais. O país tem que atender às expectativas e mostrar disciplina fiscal e monetária. Tem que respeitar o desejo dos investidores de participar das concessões, por exemplo.

A participação do investidor estrangeiro foi tímida nas concessões. O problema ainda é a taxa de retorno?

Não. Ela está ajustada. Houve um problema no início, mas agora isso está superado. O investidor pode ser financiador via mercado de capitais. E eles estão dispostos a marchar junto com o empresariado brasileiro nisso.

Leia também:

Desigualdade e emprego vão dominar agenda em Davos

Brasil é o Bric com menos participantes em Davos

O sistema financeiro do Brasil, bem regulado, foi um dos pontos fortes da confiança externa na economia do país nos últimos anos. A grande participação de BNDES, Banco do Brasil e Caixa na economia comprometeu de alguma forma essa confiança nos bancos?

Para nós, é muito natural que o papel dos bancos públicos seja de estímulo em momentos adversos, já que eles são os mais adequados para fazer política anticíclica. Mas o ciclo de expansão do crédito público não é um moto perpétuo, pois o lastro dessa expansão é o Tesouro. O talento está em saber quando diminuir os estímulos para não comprometer a solvência do Estado. Quando isso acontece, é desastroso. O BNDES já revisou seu orçamento e deu as diretrizes da nova política. Então, agora é a hora do funding via lançamentos de papéis, debêntures de infraestrutura. É hora de criar condições para que outros ocupem o lugar do BNDES. E o Bradesco tem um espaço bem definido no Brasil. Temos negócios com mais de 2 milhões de empresas e nossa missão é ser um banco de crédito. Mas vamos, sim, ganhar mercado.

Continua após a publicidade

O senhor se refere a financiar empresas como JBS e Marfrig?

Essas empresas vão demandar instrumentos novos de financiamento e essa é nossa missão. Emissão de dívida, mudar o perfil dos vencimentos, alongamento de dívidas. É isso que vamos fazer.

Mesmo reduzindo a atuação do BNDES, o Brasil ainda provoca dúvidas no lado fiscal. Há risco de as agencias de classificação de risco baixarem as notas que dão ao Brasil. Isso se projeta no investimento?

Isso acaba sendo um ponto de atenção. As agências de classificação de risco são soberanas. Mas, mas no final do dia, vão considerar a capacidade de solvência do país e sua disposição em fazer uma politica monetária ativa. O FMI deu projeção de crescimento superior a 2% para o Brasil, maior até que a de muitos economistas brasileiros. É um momento de coerência, de crença nos instrumentos que o país possui para cumprir suas metas. Mas, sem dúvida, o que agrada ao mercado é que o Estado, por mais forte que seja, abra caminho para o investimento privado. É aí que as obras acontecem, pois o capital passa a trabalhar a favor do país, aumentando a arrecadação de impostos, o emprego e a renda.

Há um pessimismo exacerbado em relação ao Brasil. A vinda da presidente Dilma a Davos tem como objetivo melhorar a imagem do país junto ao investidor estrangeiro. Acredita que seja suficiente?

A economia tem muito de psicologia. Os sentimentos migram de um polo a outro com muita facilidade. Quando isso acontece, não tem outro remédio além do olho no olho, da transparência e do foco em criar um clima de confiança, pois é ele que gera empatia do mercado. E a presença da presidente Dilma significa uma disposição do governo em falar de maneira mais aberta sobre o papel do Brasil nesse novo ciclo econômico. E isso deve ajudar muito.

Leia ainda:

Papa a Davos: ‘Dinheiro deve servir, não governar’

Dilma receberá presidente da Saab para discutir caças em Zurique

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês