Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Dólar volta a subir e vai a R$ 3,86 em dia de preocupação com eleições

Real e o peso argentino foram as moedas com pior desempenho ante a divisa dos Estados Unidos nesta segunda

O dólar teve uma manhã volátil, mas firmou alta na parte da tarde desta segunda-feira (16) e subiu 0,34%, terminando o dia em 3,8627 reais. O real e o peso argentino estão entre as moedas com pior desempenho ante a divisa dos Estados Unidos nesta segunda-feira (16), considerando os principais países emergentes.

O dólar caiu ante moedas como o peso mexicano e o rand da África do Sul. Operadores relatam que o cenário externo mais cauteloso, marcado por forte queda dos preços do petróleo nesta segunda-feira (16), e preocupações com o cenário eleitoral brasileiro estão entre os fatores que estimularam as compras de dólar.

A liquidez no mercado foi menor que outros dias e, segundo operadores, movimento de compra por algumas tesourarias de bancos e importadores estimularam a alta da moeda. No mercado futuro, o giro estava em 11 bilhões dólares às 17h20.

No mercado à vista, a liquidez foi de 611 milhões dólares, a metade de outras sessões. O giro menor reflete a cautela antes de eventos importantes nos próximos dias, que inclui dois depoimentos no Congresso dos EUA do presidente do Federal Reserve (Fed, o banco central norte-americano), Jerome Powell, nesta terça (17) e quarta-feira (18).

As eleições “altamente incertas” devem seguir contribuindo para pressionar o dólar no Brasil, prevê o banco americano JPMorgan, destacando ainda que a perspectiva fiscal do País, que já era fraca, pode ficar ainda mais deteriorada com medidas em discussão no Congresso que podem ou aumentar as despesas do governo ou reduzir a arrecadação.

O banco vê chance de o real bater em 4,00 reais em setembro, ou seja, um mês antes da votação nas urnas. Outro fator que deve seguir pressionando o dólar é a ampliação da tensão comercial entre os EUA e a China, destaca relatório do banco nesta segunda-feira (16). Para dezembro, a previsão da moeda americana no Brasil foi elevada de 3,60 reais para 3,80 reais

Na avaliação do economista e diretor da corretora NGO, Sidnei Nehme, o mercado de câmbio neste momento ainda não sinaliza comportamento que determine a necessidade de intervenção do BC.

Para ele, não há demanda por proteção cambial adicional à rolagem dos contratos que vencem em agosto que o BC já vem fazendo diariamente. Na expectativa de Nehme, com os atuais fundamentos, o preço da moeda americana é “sustentável” entre a faixa de 3,80 reais a 3,95 reais, valor que tem oscilado nas últimas semanas.