Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Dólar volta a subir e vai a R$ 3,86 em dia de preocupação com eleições

Real e o peso argentino foram as moedas com pior desempenho ante a divisa dos Estados Unidos nesta segunda

Por Estadão Conteúdo
16 jul 2018, 21h37

O dólar teve uma manhã volátil, mas firmou alta na parte da tarde desta segunda-feira (16) e subiu 0,34%, terminando o dia em 3,8627 reais. O real e o peso argentino estão entre as moedas com pior desempenho ante a divisa dos Estados Unidos nesta segunda-feira (16), considerando os principais países emergentes.

O dólar caiu ante moedas como o peso mexicano e o rand da África do Sul. Operadores relatam que o cenário externo mais cauteloso, marcado por forte queda dos preços do petróleo nesta segunda-feira (16), e preocupações com o cenário eleitoral brasileiro estão entre os fatores que estimularam as compras de dólar.

A liquidez no mercado foi menor que outros dias e, segundo operadores, movimento de compra por algumas tesourarias de bancos e importadores estimularam a alta da moeda. No mercado futuro, o giro estava em 11 bilhões dólares às 17h20.

No mercado à vista, a liquidez foi de 611 milhões dólares, a metade de outras sessões. O giro menor reflete a cautela antes de eventos importantes nos próximos dias, que inclui dois depoimentos no Congresso dos EUA do presidente do Federal Reserve (Fed, o banco central norte-americano), Jerome Powell, nesta terça (17) e quarta-feira (18).

As eleições “altamente incertas” devem seguir contribuindo para pressionar o dólar no Brasil, prevê o banco americano JPMorgan, destacando ainda que a perspectiva fiscal do País, que já era fraca, pode ficar ainda mais deteriorada com medidas em discussão no Congresso que podem ou aumentar as despesas do governo ou reduzir a arrecadação.

Continua após a publicidade

O banco vê chance de o real bater em 4,00 reais em setembro, ou seja, um mês antes da votação nas urnas. Outro fator que deve seguir pressionando o dólar é a ampliação da tensão comercial entre os EUA e a China, destaca relatório do banco nesta segunda-feira (16). Para dezembro, a previsão da moeda americana no Brasil foi elevada de 3,60 reais para 3,80 reais

Na avaliação do economista e diretor da corretora NGO, Sidnei Nehme, o mercado de câmbio neste momento ainda não sinaliza comportamento que determine a necessidade de intervenção do BC.

Para ele, não há demanda por proteção cambial adicional à rolagem dos contratos que vencem em agosto que o BC já vem fazendo diariamente. Na expectativa de Nehme, com os atuais fundamentos, o preço da moeda americana é “sustentável” entre a faixa de 3,80 reais a 3,95 reais, valor que tem oscilado nas últimas semanas.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.