Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Dólar dispara com Lula fora da prisão e fecha aos R$ 4,17

Moeda americana sobe 1,8% nesta sexta-feira após STF derrubar a possibilidade de prisão depois de condenação em segunda instância

Após a Justiça mandar soltar o ex-presidente Lula, o dólar comercial acelerou a alta nesta sexta-feira, 8, e fechou cotado, em média, a 4,17 reais para a venda, com valorização de 1,8%. É o terceiro dia seguido de aumento e o maior valor desde 17 de outubro. O motivo da escalada é a desconfiança política após a decisão do STF de derrubar a possibilidade de prisão depois de condenação em segunda instância. Incertezas renovadas sobre um acordo entre Estados Unidos e China também pesaram nas decisões do mercado financeiro.

Os investidores estão preocupados sobre o impacto dos mais recentes desdobramentos políticos na economia. Na quinta-feira, o plenário do Supremo Tribunal Federal (STF) derrubou a possibilidade de iniciar a execução de pena de prisão após condenação em segunda instância, na maior derrota que a Corte impôs à operação Lava Jato nos seus cinco anos e que levou à liberdade o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

“O temor dos investidores é o risco da insegurança jurídica para investir no Brasil. O país está dividido entre direita e esquerda, e o mercado fica volátil com a possibilidade de o Lula inflamar a esquerda. Há o temor de manifestações, como as que ocorrem no Chile”, afirmou Mauriciano Cavalcante, diretor de operações de câmbio da Ourominas. Para Cavalcante, o dólar deve abrir a próxima semana em alta. “Na segunda-feira, ou no mais tardar terça-feira, a moeda vai buscar os 4,20 reais. O mercado vai testar o Banco Central para ele entrar vendendo e aumentar a oferta de dólares.”

No exterior, o otimismo comercial recente perdeu força após o presidente americano, Donald Trump, dizer que não havia concordado em reverter as tarifas sobre produtos chineses. “O dólar sobe com um sentimento levemente negativo nos mercados internacionais. Houve um pouco de cautela devido à novela da guerra comercial”, afirmou Pablo Spyer, diretor da Mirae Assets. 

No acumulando da semana, o dólar subiu 4,34%, na maior alta da moeda contra o real em mais de 14 meses, quando avançou 4,85% na semana encerrada no dia 24 de agosto de 2018. A valorização da moeda no período foi puxada, além da decisão de soltura do ex-presidente Lula nesta sexta-feira, pela frustração em dois leilões de petróleo realizados pelo governo federal, em que eram esperados a entrada de grande fluxo de dólares por parte de empresas estrangeiras, o que não ocorreu.

(Com Reuters)

Comentários

Não é mais possível comentar nessa página.