Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Dilma pede apoio político por mudanças na poupança

Presidente solicitou aos parlamentares da base aliada que defendam as mudanças no rendimento da caderneta, que são impopulares. Dilma também pedirá apoio a centrais sindicais e grandes empresários

A presidente Dilma Rousseff pediu aos presidentes e líderes de partidos da base aliada apoio político diante do anúncio iminente de mudanças no rendimento da poupança. A divulgação oficial das novas regras está prevista para ocorrer às 18h no Palácio do Planalto. Dilma avalia que as novas medidas são impopulares, já que reduzem o lucro da poupança, e quer que os parlamentares defendam o governo de eventuais ataques da oposição.

Estavam presentes na reunião do conselho político, que durou duas horas, representantes de quatorze partidos: PT, PMDB, PV, PSB, PRB, PRTB, PMN, PT do B, PC do B, PSC, PTB, PP, PSL, PHS. Faltaram ao encontro líderes do PDT, partido do recém-empossado ministro do Trabalho, Brizola Neto; e do PR, legenda do ministro dos Transportes, Paulo Sérgio Passos.

A proposta apresentada aos aliados prevê correção mensal da poupança pelo equivalente a 70% da taxa básica de juros (Selic) mais a variação da Taxa Referencial (TR). A nova remuneração só valerá, no entanto, quando a taxa básica de juros (Selic) estiver em 8,50% ao ano ou em patamar inferior. Se a taxa estiver acima disso, o rendimento permanecerá no nível atual: 0,5% ao mês mais a variação da TR. Hoje, a Selic está em 9% ao ano.

De acordo com fontes e com o esboço da medida provisória a que a agência Reuters teve acesso, a mudança não afetará as poupanças antigas, mas apenas as que forem abertas após a publicação da MP e também os novos depósitos.

Pacto – Dilma fez um “pacto de silêncio” com os presentes: pediu que não falassem com a imprensa, nem se pronunciassem sobre as mudanças nas tribunas da Câmara e do Senado. Também participaram do encontro o vice-presidente Michel Temer; o secretário-executivo da Fazenda, Nelson Barbosa; e os ministros da Fazenda, Guido Mantega; da Casa Civil, Gleisi Hoffmann; e de Relações Institucionais, Ideli Salvatti.

Logo depois do encontro com o conselho político, Dilma iniciou uma nova reunião, desta vez com as centrais sindicais. Também participam os ministros Mantega (Fazenda), Brizola Neto (Trabalho) e Gilberto Carvalho (Secretaria-Geral da Presidência). A presidente deve seguir o script do encontro com políticos, ou seja, dar detalhes sobre as novas medidas e pedir apoio.

Em seguida, a presidente repetirá mais uma vez a dose – desta vez com a nata empresarial do país. Dilma convidou o seleto grupo que recebeu em Brasília em março para uma segunda reunião. Estão na lista, por exemplo, Eike Batista, presidente do grupo EBX; Murilo Ferreira, presidente da Vale; e Roberto Setúbal, presidente do banco Itaú.