Clique e assine com até 92% de desconto

Desemprego na eurozona segue em 11,2%, recorde histórico

Desemprego bateu recorde na Itália em junho e registrou leve alta na Alemanha

Por Da Redação 31 jul 2012, 07h02

Mercado de trabalho alemão mostrou em julho “sinais de uma evolução mais frágil”, diz agência

O desemprego na eurozona segue em 11,2% em junho, maior índice histórico desde a criação da união monetária, em consequência da crise na Espanha, onde o resultado é o dobro da média europeia, informou a agência de estatísticas europeia Eurostat. A zona do euro é formada por 17 países que adotam a unidade monetária comum. A taxa de 11,2% é a mesma de maio, depois de o Eurostat revisar para cima o dado para aquele mês, ante leitura anterior de 11,1%.

Já na União Europeia (UE) – composta por 27 estados-membros -, o índice de desemprego se manteve em 10,4%, segundo os dados divulgados nesta terça-feira pela agência Eurostat.

Leia também:

FMI corta projeção para crescimento global em 2013

Entre os estados membros, as taxas de desemprego mais elevadas foram registradas na Espanha (24,8%) e na Grécia (22,5% em abril). Os dados contrastam radicalmente com outros países da zona do euro, como Áustria (4,5%), o país com menor índice, e Holanda (5,1%).

Na Itália, o índice atingiu 10,8% em junho, contra 10,6% em maio, apesar de uma leve queda entre os mais jovens, segundo os dados preliminares divulgados nesta terça-feira pelo Instituto de Estatísticas (Istat).

Leia mais:

Em momento dramático, Europa sofre com a falta de estadistas

Continua após a publicidade

O nível de 10,8% é o mais elevado desde o início da série estatística mensal, iniciada em 2004. O desemprego na Itália superou o nível simbólico de 10% pelo quarto mês consecutivo.

Em junho, o país tinha 2,79 milhões em busca de emprego, uma alta de 37,5% na comparação com o mesmo período em 2011. O desemprego entre os jovens, no entanto, caiu de 35,3% em maio a 34,3% em junho.

Para o primeiro-ministro italiano Mario Monti, a Itália e o restante da Europa, abalados pela crise, se aproximam do “fim do túnel”. Monti viaja nesta terça-feira para França, Finlândia e Espanha.

“Nos aproximamos, assim como o restante da Europa, do fim do túnel da crise, que começa a ser iluminada”, declarou Monti à rádio RAI 1, antes de chamar de “muito importantes” as decisões tomadas pelos dirigentes europeus em junho para solucionar os problemas da dívida.

Alemanha – Mesmo na economia mais forte da zona do euro, a Alemanha, a taxa de desemprego, que estava em queda há vários meses, subiu de 6,6% em junho a 6,8% em julho, anunciou a Agência Federal para o Emprego.

O mercado de trabalho alemão mostrou em julho “sinais de uma evolução mais frágil”, segundo um comunicado da agência.

Inflação – A inflação na eurozona permaneceu estável em julho, a 2,4% em ritmo anual, informou a agência de estatíticas europeia (Eurostat).

No entanto, a inflação na união monetária supera pelo 20º mês consecutivo o limite de 2% estabelecido pelo Banco Central Europeu (BCE), responsável por supervisionar a estabilidade dos preços na região.

(Com agência France-Presse)

Continua após a publicidade
Publicidade