Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Déficit chega a R$ 249 bi em 2023 e dívida sobe para 74,3% do PIB

Dívida pública foi de R$ 8,1 trilhões, 2,7 pontos maior que em 2022; resultado das contas em dezembro foi influenciado pela quitação de precatórios

Por Larissa Quintino
Atualizado em 7 fev 2024, 09h28 - Publicado em 7 fev 2024, 09h05

A dívida bruta do Brasil fechou 2023 em 74,3% do Produto Interno Bruto (PIB), uma elevação de 2,7 pontos percentuais em relação ao registrado em 2022. Segundo os dados divulgados nesta quarta-feira, 7, pelo Banco Central, o percentual equivale a 8,1 trilhões de reais.

Essa despesa é calculada com base nas contas do governo federal, INSS, governos estaduais e municipais. O número veio em linha com a expectativa de mercado.

Também foram divulgadas as contas do setor público consolidado, formado por governo federal, estados, municípios e empresas estatais. No acumulado do ano, as contas registraram déficit primário de 249 bilhões de reais, equivalente a 2,3% do PIB. No mesmo período de 2022, as contas públicas haviam registrado um superávit de 126 bilhões de reais.

O déficit primário considera que as despesas superam as receitas, o superávit é exatamente o contrário. A conta não considera o pagamento de juros da dívida pública.

Continua após a publicidade

Precatórios

No mês de dezembro houve déficit de 129,6 bilhões de reais, muito acima dos 11,8 bilhões de reais no mesmo mês de 2022. O Banco Central ressalta que boa parte do valor se deve ao pagamento de precatórios, estimado em 92,4 bilhões de reais. As dívidas com precatórios, rolada do governo anterior com a PEC dos Precatórios, foi paga pela atual gestão  após um acordo com o Supremo Tribunal Federal (STF).

No mês, o Governo Central e os governos regionais foram deficitários, na ordem, em 127,6 bilhões de reais e 2,9 bilhões de reais, respectivamente, enquanto as empresas estatais tiveram superávit de 942 milhões de reais.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.