Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Consenso no mercado é de que Copom eleve juros para 9,5%

BC decide hoje nova taxa de juros e projeções indicam que a Selic não deve ultrapassar dois dígitos este ano

Por Da Redação 9 out 2013, 08h27

O mercado financeiro caminha em manada nas suas apostas sobre o destino dos juros básicos da economia e a maioria ainda vê 2013 terminando com a Selic abaixo dos dois dígitos, a 9,75% ao ano, número também refletido nos juros futuros. Para a reunião do Comitê de Política Monetária (Copom) que termina nesta quarta-feira, é quase unânime a aposta de que a Selic será elevada em 0,5 ponto porcentual (p.p.).

De oitenta instituições ouvidas pelo AE Projeções, 79 apostavam na alta de 0,5 p.p.. O professor Emílio Garófalo diz que não seria prudente o Banco Central (BC) ir contra a projeção que está tão consensual para evitar sobressaltos e alta volatilidade. “Se subir mais ou menos do que os 0,5 ponto esperado, o BC poderia dar a impressão ou que a inflação não está sob controle ou que está relaxando demais.”

Nos negócios com juros futuros na bolsa de valores, as taxas também apontam para uma Selic de apenas um dígito neste fim de ano. Os contratos para janeiro de 2014 fecharam a 9,44% na terça-feira. Já os de janeiro de 2015 apontam para Selic de 10%. Em prazos mais longos, como 2017, a taxa apontava para 11%.

Algumas instituições já informam a seus clientes que os juros vão chegar aos dois dígitos ainda em 2013. Caso do Bradesco. De acordo com relatório do departamento econômico do banco, o aumento será de 0,5 ponto hoje, mas outros dois aumentos serão realizados até o fim do ano levando os juros a 10,25%. “Ainda que as projeções apontem para uma convergência lenta da inflação, os patamares reportados são bastante elevados e estão acima da inflação média dos últimos anos, de 5,5%”, diz.

Pela pesquisa Focus, é possível observar que o Bradesco não está sozinho em suas previsões. Nesta semana, a média das apostas estava em 9,77% ao ano, mais alta que os 9,75% da semana anterior e que os 9,58% de agosto.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Plano para Democracia

- R$ 1 por mês.

- Acesso ao conteúdo digital completo até o fim das eleições.

- Conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e acesso à edição digital da revista no app.

- Válido até 31/10/2022, sem renovação.

3 meses por R$ 3,00
( Pagamento Único )

Digital Completo



Acesso digital ilimitado aos conteúdos dos sites e apps da Veja e de todas publicações Abril: Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Placar, Superinteressante,
Quatro Rodas, Você SA e Você RH.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)