Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Confiança do consumidor atinge melhor nível em 2 anos, diz FGV

Indicador medido pela Fundação Getulio Vargas atingiu em março o nível mais alto desde dezembro de 2014.

A confiança do consumidor brasileiro subiu em março pelo terceiro mês consecutivo, para o nível mais alto em pouco mais de dois anos, com forte melhora das expectativas e perspectiva de avanços na avaliação sobre o quadro econômico atual. Segundo dados da Fundação Getulio Vargas divulgados nesta segunda-feira, o Índice de Confiança do Consumidor (ICC) subiu 3,5 pontos em março e chegou a 85,3 pontos, nível mais alto desde os 86,4 pontos registrados em dezembro de 2014.

Embora a alta neste mês tenha se dado principalmente pela melhora das expectativas, a coordenadora da pesquisa, Viviane Seda Bittencourt, destacou que notícias favoráveis à economia podem promover uma alta mais forte sobre a situação atual nos próximos meses. “A desaceleração da inflação, a queda dos juros e a liberação de recursos de contas inativas do FGTS podem levar a uma alta mais consistente das variáveis que medem a situação corrente dos consumidores ao longo dos próximos meses”, destacou ela.

Segundo a FGV, em março o Índice de Expectativas (IE) teve alta de 5,1 pontos, atingindo 95,7 pontos, o maior nível desde fevereiro de 2014. O Índice da Situação Atual (ISA) avançou 1,2 ponto, alcançando 71,5 pontos, melhor marca desde agosto de 2015. A principal influência para o resultado do ICC, segundo a FGV, foi o indicador de perspectivas sobre as finanças familiares, com alta de 5,8 pontos, para 94,3 pontos –melhor leitura desde outubro de 2014 (96,4 pontos).

“Este otimismo parece refletir a expectativa de aceleração do processo de desalavancagem das famílias, sob a influência de inflação e juros mais baixos e entrada de recursos anteriormente não previstos do FGTS”, apontou a FGV em nota.

A confiança de consumidores e empresários vem apresentando recorrente melhora, em meio à queda da inflação e recuo dos juros no país depois de dois anos de recessão.

(Com Reuters)

Comentários

Não é mais possível comentar nessa página.

  1. RUBENS LOPES SOUZA

    Gostaria de saber em que se baseia tal pesquisa se nos últimos anos só tivemos notícias piores, aumento da miséria, estagnação do IDH, diminuição das exportações, fim das aposentadorias, piora nas leis trabalhistas, qual foi a notícia que elevou o índice de confiança?

    Curtir