Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Confiança do comércio cai 2,1% no 1º trimestre, diz FGV

Para fundação, setor segue em ritmo entre fraco e moderado. Setor de serviços também está menos confiante em março

Dados divulgados nesta segunda-feira pela Fundação Getulio Vargas (FGV) mostraram que a confiança dos empresários do setor varejista caiu 2,1% no primeiro trimestre do ano frente ao mesmo período do ano passado. O Índice de Confiança do Comércio (Icom) passou de 121,7 pontos para 119,2 pontos na comparação. No resultado anterior, referente ao período de três meses findos em fevereiro, houve queda de 1,2%, o que segundo a FGV “indica uma diminuição relativa da confiança do setor”.

O Índice de Situação Atual, um dos itens que compõem o indicador, caiu 8% no período de três meses até março em relação ao mesmo período do ano anterior. Esta foi a maior variação negativa nesta base de comparação desde novembro de 2013, quando caiu 9,8%, para 91,5 pontos. Por outro lado, o Índice de Expectativas avançou 2%, para 146,9 pontos no intervalo.

“O resultado da pesquisa sinaliza, portanto, que o setor continua em ritmo entre fraco e moderado de atividade ao final do primeiro trimestre de 2014”, destacou a FGV.

Leia mais:

Após meses em queda, confiança do consumidor avança em março

Vendas no comércio sobem 0,4% em janeiro

​Setor de serviços avança 9,3% em janeiro

Ainda nesta segunda-feira, a FGV divulgou o resultado de março do Índice de Confiança de Serviços (ICS), que caiu 0,4% na comparação com fevereiro ao atingir 116,9 pontos. Em fevereiro, o indicador havia avançado 0,2%, chegando a 117,4 pontos.

“O resultado dá continuidade à tendência de estabilização do índice em patamar historicamente baixo, iniciada em agosto passado, e reflete a percepção de ritmo de atividade ainda fraco pelo setor”, avaliou a FGV.

O Índice da Situação Atual do setor de serviços caiu 0,5% em março ante fevereiro, interrompendo quatro meses de alta. No mês passado, o indicador havia registrado avanço de 1,5%. Por sua vez, o Índice de Expectativas mostrou recuo pelo terceiro mês seguido, de 0,4% em março, depois de cair 0,7% em fevereiro.

(com agência Reuters)