Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia

Com tensão na Crimeia, S&P rebaixa nota da Rússia

A redução de "BBB" para "BBB-", com perspectiva negativa, ocorre por causa dos conflitos do país com a Ucrânia

Por Da Redação 25 abr 2014, 11h13

A agência de classificação financeira Standard & Poor’s (S&P) rebaixou nesta sexta-feira a nota da dívida da Rússia de “BBB” para “BBB-” e manteve a perspectiva “negativa”. A visão da agência é de que a situação geopolítica tensa entre Rússia e Ucrânia poderia levar a saídas significativas de dinheiro da economia russa, tanto de capitais estrangeiros como de nacionais, “Isso poderia ainda debilitar as perspectivas já frágeis de crescimento”, disse em comunicado.

Para piorar a situação, o governo dos Estados Unidos advertiu a Rússia para a possibilidade de novas sanções econômicas. A crise política da região começou quando a Rússia praticamente anexou a seu território a região ucraniana da Crimeia, cuja a maioria da população é de origem russa. O movimento foi feito sob protestos das potências ocidentais e da própria Ucrânia.

Leia mais:

Rússia quer III Guerra Mundial, acusa premiê da Ucrânia

EUA pedem ‘medidas concretas’ à Rússia para reduzir tensão na Ucrânia

Rússia acusa governo da Ucrânia de descumprir acordos

A S&P destacou ainda que pode reduzir novamente a nota da Rússia se observar o “aumento dos riscos para a solvência da Rússia, assim como um crescimento econômico muito mais frágil que o previsto”. A agência destaca que o crescimento econômico russo caiu a 1,3% em 2013, “o menor nível desde 1999”. “Caso as tensões geopolíticas não diminuam em 2014, existe um risco importante de que o crescimento fique muito abaixo de 1%”, advertiu a S&P.

Política monetária – Ainda nesta sexta-feira, o banco central da Rússia elevou a principal taxa de juros do país em 0,5 ponto porcentual, para 7,5% ao ano. O banco explicou que tomou a decisão devido a um impacto maior do que o esperado da desvalorização do rublo (moeda local) sobre a inflação. Segundo o governo, a medida vai permitir que o banco reduza a inflação para 6% ao final de 2014.

(com agências France-Presse e Reuters)

Continua após a publicidade
Publicidade