Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Com petróleo nas alturas, Arábia Saudita lucra com a oferta prejudicada

Com Guerra na Ucrânia o preço do barril de petróleo disparou, já passando de 110 dólares; Saudi Aramco, estatal de petróleo, lucrou US$ 39 bi no 1º tri

Por Renan Monteiro 25 Maio 2022, 13h03

Fonte de preocupação de governos e consumidores mundo afora, o preço do petróleo está atingindo níveis recordes e, se depender de seu principal exportador, a realidade deve seguir.  Na última terça-feira, durante o Fórum Econômico Mundial em  Davos, o Ministro das Relações Exteriores da Arábia Saudita,  Faisal bin Farhan Al-Saud, disse que não há “ escassez de petróleo no mundo”, além de defender o “relativo equilíbrio atual” na oferta de petróleo no mundo.

Nesse ínterim, a principal companhia de petróleo do país do Oriente Médio teve alta de 80% no lucro líquido, com 39,5 bilhões de dólares no primeiro trimestre de 2022, segundo balanço oficial. O resultado fez a estatal Saudi Aramco ultrapassar a Apple e se tornar novamente a empresa mais valiosa do mundo.

O top três dos maiores produtores de petróleo do mundo inclui, respectivamente, Arábia Saudita, Estados Unidos e Rússia. Com o início da guerra na Ucrânia, parte dos países do bloco europeu, bem como países como Austrália, Canadá e Estados Unidos, impuseram proibições diretas à compra do petróleo russo. A Alemanha, maior economia da União Europeia e altamente dependente do petróleo russo, segue em trâmite para aderir o embargo.

Preço do barril

Com a oferta prejudicada e uma demanda contínua (sendo improvável a substituição por outras fontes de combustível e energia em curto prazo), o preço do barril de petróleo disparou, passando de 110 dólares o barril desde o início do ataque da Rússia, segundo dados do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada. Já registrando crescimento desde do ano passo, só em 2022 o aumento foi em mais de 37%, quando o barril era vendido no entorno de 80 dólares no inicio de janeiro e já se especulava sobre a escalada do conflito entre Rússia e Ucrânia.

O diretor-executivo da Agência Internacional de Energia (AIE), Fatih Birol, demonstrou preocupação com o pico de demanda por petróleo esperado para o verão. Birol falou do risco de “recessão” na economia mundial com aumento acelerado na demanda por energia, sem uma oferta compatível. A Agência Internacional de Energia (IEA) defende a liberação dos estoques de petróleo, na tentativa de conter a alta dos preços. 

Na última terça, no Fórum Econômico Mundial em Davos, o Ministro das Relações Exteriores da Arábia Saudita refutou a ideia. A contenção nos preços ocorrerá, na perspectiva de Faisal, se houver “mais investimento em refinarias, em vez de aumentar a oferta”. 

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)