Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

CNI: confiança do empresariado cai pelo 3º mês seguido

Empresários mostraram perda de confiança principalmente em relação às condições atuais da economia, cuja variável recuou 1,4 ponto em novembro

Apesar de acumular queda de 6,7 pontos em relação a janeiro deste ano, quando atingiu o maior patamar desde a sua criação, o Icei ainda está acima de sua média histórica, de 59,6 pontos

O Índice de Confiança do Empresariado Industrial (Icei) caiu pelo terceiro mês consecutivo e chegou a 62 pontos em novembro, de acordo com dados divulgados nesta segunda-feira, 22, pela Confederação Nacional da Indústria (CNI). Em uma escala de zero a 100 pontos, em que valores acima de 50 pontos indicam otimismo por parte dos entrevistados, o indicador recuou 0,8 ponto em relação ao mês anterior, com recuos em todos os portes de empresas.

Segundo o documento, os empresários mostraram perda de confiança principalmente em relação às condições atuais da economia, cuja variável recuou 1,4 ponto em novembro. Já o índice de expectativas para os próximos seis meses caiu de 65,9 pontos para 65,1 pontos no mesmo período.

De acordo com a CNI, apesar de acumular queda de 6,7 pontos em relação a janeiro deste ano, quando atingiu o maior patamar desde a sua criação, o Icei ainda está acima de sua média histórica, de 59,6 pontos. Quando analisada somente a indústria de transformação, a queda do índice em novembro foi de 1,4 ponto, para 60,6 pontos. Já os indicadores relativos às indústrias extrativa e da construção civil registraram aumento no mês, de 1,9 ponto e 0,6 ponto, respectivamente. “O Icei dos três segmentos industriais pesquisados estão acima de 60,0 pontos, o que realça o otimismo da indústria”, diz o documento.

Mesmo com queda nos últimos meses, 18 dos 26 setores pesquisados mantêm-se com otimismo acima de suas médias históricas. Entre eles aparecem setores cujo indicador está 4 pontos acima da média, como as indústrias de outros equipamentos de transporte, plástico, minerais não metálicos, edição e impressão, calçados, móveis e vestuário.

(Agência Estado)