Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

Claro inicia cobertura 4G em cinco sedes da Copa

Tecnologia chegará a todas as cidades da Copa até o fim do ano; municípios pequenos só terão o serviço em 2017

Por Da Redação 16 abr 2013, 17h34

A Claro anunciou nesta terça-feira, em cerimônia em Brasília, o início das vendas comerciais de serviços de telefonia móvel de quarta geração (4G) nas cidades do Rio de Janeiro, Brasília, Belo Horizonte, Fortaleza e Salvador. Todas elas receberão jogos da Copa das Confederações, que será realizada no Brasil em junho.

Com isso, todas as cidades-sede da competição contarão com serviços 4G da operadora, que, em teoria, oferecem maior velocidade de conexão à internet. A sexta cidade a receber jogos, Recife, já conta com a tecnologia desde dezembro do ano passado. De acordo com a operadora, o 4G terá cobertura de 90% da área dessas cidades.

A Claro também opera em 4G nas cidades de Búzios (RJ), Campos do Jordão (SP), Curitiba (PR), Porto Alegre (RS) e Paraty (RJ). Segundo o presidente da operadora no Brasil, Carlos Zenteno, a empresa já investiu 510 milhões de reais na instalação de infraestrutura para a primeira etapa de oferta de serviços 4G no país.

O ministro das Comunicações, Paulo Bernardo, participou do evento e admitiu que no primeiro momento os pacotes de serviços 4G disponíveis no mercado “tendem a ser mais caros do que a tecnologia anterior”, mas em um segundo momento, a medida que a adesão dos consumidores cresça, o preço tenderá a cair. Segundo ele, a migração de clientes para o 4G deve descongestionar as redes de terceira geração.

Leia ainda: Oi lança 4G no Rio e anuncia investimentos de R$ 1 bi na nova rede

Grandes operadoras dominam leilão de 4G

Plano de Banda Larga deverá ter aporte de R$ 125 bilhões

O presidente da Agência Nacional de Teleconunicações (Anatel), João Rezende, disse que até o final deste ano, a expectativa da indústria é de que o Brasil tenha 4 milhões de celulares habilitados em 4G.

O serviço de 4G disponível neste ano no Brasil opera na faixa de 2,5 giga-hertz (GHz). Em janeiro do ano que vem, o governo vai licitar a faixa de 700 mega-hertz (MHz). Na semana passada, em entrevista à Reuters, o presidente da Anatel disse que a rede em 700 MHz não estará disponível para a Copa do Mundo.

Continua após a publicidade

Como a maioria dos celulares habilitados para o 4G no mundo usam a faixa de 700 MHz, os estrangeiros que visitarão o Brasil nas competições terão de usar serviços 3G ou adquirir chips de operadoras brasileiras de 4G em 2,5 GHz. Ao ser questionado sobre o assunto, Bernardo disse que, até em razão do preço do roaming, os turistas deverão procurar chips brasileiros durante os jogos.

De acordo com a Claro, até o fim deste ano, as cidades de Cuiabá, Manaus, Natal e São Paulo, sedes da Copa, devem ter serviços de 4G. Até maio do ano que vem, deverão receber a tecnologia capitais com mais de 500 mil habitantes. A partir daí, a operadora habilitará cidades menores e só deve atender cidades pequenas, com no mínimo 30 mil habitantes, no fim de 2017.

Concorrência – As outras três grandes operadoras – Vivo, Oi e Tim – também devem começar a operar 4G nas cidades-sede da Copa das Confederações até o fim deste mês – o ministério das Comunicações estipulou o dia 30 de abril como data limite. A Vivo e a Tim confirmaram que vão cumprir o prazo e começar a vender planos da nova tecnologia nos próximos dias. A Oi já lançou o 4G no Rio de Janeiro e também chegará às outras sedes até o dia 30.

A Tim e a Oi enviaram à Anatel um pedido para compartilhar antenas de transmissão do 4G. No entanto, a agência quer garantir que a qualidade do serviço não seja afetada pelo compartilhamento. A Anatel avaliará, na próxima quinta-feira, se será permitido o uso de uma antena por mais de uma operadora. A Vivo e a Claro também manifestaram interesse em compartilhar antenas, mas não fizeram nenhum requerimento à Anatel.

Leia também:

Governo confia em instalação de 4G para a Copa das Confederações

De olho na Copa, Anatel leiloa banda larga 4G

Metade das torres de 4G pode ter de ser compartilhada

(com agência Reuters)

Continua após a publicidade

Publicidade