Centrais reúnem multidão na Praça da Sé contra reformas

Centrais planejavam uma passeata da praça da Sé até a avenida Paulista, mas desistiram da caminhada

Por Da redação - Atualizado em 10 nov 2017, 14h45 - Publicado em 10 nov 2017, 12h07

As centrais sindicais estão promovendo manifestações contra as reformas trabalhista e da Previdência nesta sexta-feira em vários pontos do país. Em São Paulo, os protestos fecharam vias da capital, que já foram liberadas.

Na Praça da Sé, região central de São Paulo, a CUT (Central Única dos Trabalhadores) organizou uma concentração desde as 9h30. O objetivo inicial era sair em passeata até a Avenida Paulista, mas os manifestantes desistiram da caminhada.

Em vídeo publicado no Facebook, o presidente da CUT, Vagner Freitas, afirmou que se o governo Michel Temer aprovar a reforma da Previdência, a central vai “parar o país”. A transmissão era feita ao vivo da Praça da Sé.

Segundo a CUT, cerca de 20.000 pessoas participam da concentração na Praça da Sé. Não há estimativa oficial da Polícia Militar sobre a quantidade de pessoas no local.

Publicidade

Também houve protesto mais cedo no terminal Varginha, na Zona Sul da cidade. Outras manifestações ocuparam faixas da avenida Jacu Pêssego e Rangel Pestana, na Zona Leste.

Ainda assim, a CET informou que não há registro de anormalidades no trânsito, como congestionamentos causados pelos protestos.

Participam da mobilização CUT, Força Sindical, UGT, Nova Central, Intersindical, CTB e Conlutas. Em Brasília, CUT e Força Sindicais organizam protestos na Esplanada dos Três Poderes, mas em horários diferentes – o da CUT começou às 9 HORAS, e o da Força Sindical será ao meio-dia. Também há manifestações em outras capitais.

Publicidade