Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Cade aprova associação de Itaú e BMG para consignado

Por se tratar de uma operação de baixa complexidade, o caso não precisou passar pelo julgamento do plenário do conselho.

O Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) aprovou a associação entre o Itaú Unibanco e o Banco BMG para a criação de uma instituição financeira voltada para o crédito consignado. A joint venture terá capital inicial de 1 bilhão de reais, sendo 70% do primeiro banco e 30%, do segundo.

A aprovação pelo superintendente-geral do Cade, Carlos Ragazzo, foi publicada nesta quarta-feira no Diário Oficial da União (DOU). Por se tratar de uma operação de baixa complexidade, o caso não precisou passar pelo julgamento do plenário do conselho.

Leia mais:

Itaú emprestará ao BMG a juros de mercado, diz Setubal

Acuado pelo Cade, BB abre mão de exclusividade em consignado

Procura por crédito em setembro caiu 16,5%, apura Serasa

Bradesco acata vontade do governo e reduz juros do cartão de crédito

Caixa e Banco do Brasil travam guerra do crédito

Em julho deste ano, os bancos anunciaram ao mercado a associação para a criação do Banco Itaú BMG Consignado. De acordo com o fato relevante divulgado na ocasião, o Itaú Unibanco deverá contribuir com sua capacidade econômico-financeira, enquanto o BMG entrará com sua competência comercial e operacional no segmento de crédito consignado.

O Itaú Unibanco espera atingir a liderança entre os bancos privados neste segmento considerando, além das suas operações, a carteira da joint venture, que nos próximos dois anos deve atingir o volume de aproximadamente R$ 12 bilhões.

O despacho de Ragazzo foi publicado uma semana depois do acordo fechado entre o Banco do Brasil e o Cade na área de crédito consignado. O BB deixará de exigir cláusula de exclusividade de crédito consignado nos contratos atuais em que detém a folha de pagamento de servidores públicos e não incluirá o dispositivo em documentos futuros. O BB é líder desse segmento de crédito, que é considerado um dos mais rentáveis pela baixa taxa de inadimplência.

(com Agência Estado)