Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Bolsonaro endossa fala de Guedes sobre saída do Mercosul

Presidente afirmou que se chapa formada por Fernández e Kirchner 'criar problema', o Brasil deixa o bloco

O presidente Jair Bolsonaro corroborou, nesta sexta-feira, 15, com as declarações dadas na véspera pelo ministro da Economia, Paulo Guedes, de que o Brasil deixará o Mercosul caso a oposição vença a eleição presidencial na Argentina e decida fechar a economia do país. Em entrevista a jornalistas ao deixar o Palácio da Alvorada, em Brasília, Bolsonaro disse não acreditar que o candidato da oposição no país vizinho, Alberto Fernández, queira seguir um caminho de liberdade e democracia, que para ele vem sendo trilhado pelo atual presidente argentino, Mauricio Macri.

“O atual candidato que está na frente na Argentina, que tem na vice a Cristina Kirchner, já esteve visitando o Lula, já falou que é uma injustiça o Lula estar preso, já falou que quer rever o Mercosul. Então o Paulo Guedes, perfeitamente afinado comigo, por telepatia, já falou: ‘se criar problema, o Brasil sai do Mercosul’. Está avalizado, sem problema nenhum”, disse Bolsonaro. “Eu não acredito que ele [Fernández] queira seguir nessa linha de liberdade e democracia. Esse pessoal quando se apodera do poder, não quer sair mais. E sempre vivendo às custas da coisa pública”, disse.

O presidente disse, no entanto, que está disposto a conversar com Fernández se a chapa do Partido Justicialista vencer a eleição, mas avisou que o gesto terá de partir de Fernández, que tem como candidata a vice a ex-presidente Cristina Kirchner. “Eu converso até com a Folha de S.Paulo, quem dirá com o futuro presidente da Argentina”, disse. Ao ser indagado sobre se procuraria Fernández caso ele vença a eleição presidencial argentina de outubro, negou. “Não, não. Ele é que vai ter que dar o sinal. Quando eu tomei posse eu falei que ia manter a democracia, a liberdade, abrir o mercado, respeitar as religiões, e é isso que eu estou fazendo”.

Bolsonaro voltou a citar a reação dos mercados financeiros à vitória da coalizão encabeçada por Fernández nas primárias da eleição presidencial argentina no último domingo e reiterou que, se o oposicionista vencer, o Rio Grande do Sul pode ter de lidar com a mesma onda de imigração enfrentada por Roraima por causa da crise na Venezuela. “Olha a Argentina aqui, o que aconteceu com a bolsa, com o dólar, com a taxa de juros deles. O mercado deu um sinal de que não vai perdoar a esquerda na Argentina novamente, o pessoal vai tirar de lá. Os empresários não vão investir na Argentina enquanto não resolver a situação política”, disse.

Mais tarde, no Palácio do Planalto, Bolsonaro voltou a antever problemas em caso de vitória da chapa Fernández-Cristina na Argentina, inclusive para o acordo Mercosul-União Europeia. “Depende do futuro presidente da Argentina. Se tiver uma linha semelhante a do Maduro ou da própria Cristina Kirchner, a gente vai ter dificuldade”, disse o presidente a jornalistas. “O que nós construirmos agora com a União Europeia vai fazer água”.

A eleição presidencial na Argentina acontece em outubro, mas a ampla vantagem obtida pela oposição nas primárias a deixa com amplo favoritismo para vencer o pleito.

(Com Reuters)

Comentários

Não é mais possível comentar nessa página.

  1. Carlos Zambon

    Os sem projeto para a nação vão entrar para história como puxa sacos de Trump.

    Curtir