Bolsonaro diz que taxa de juros deve chegar a 4,5% sem ingerência política

Presidente afirmou que governos anteriores baixaram a taxa de juros "na canetada"

Por Da Redação - Atualizado em 2 dez 2019, 12h40 - Publicado em 2 dez 2019, 11h50

O presidente Jair Bolsonaro afirmou nesta segunda-feira, 2, que a taxa básica de juros, a Selic, deve chegar a 4,5%. O político acrescentou que o possível corte de 0,5 ponto porcentual acontecerá “sem interferência do governo”. A taxa foi reduzida para 5%, a sua mínima histórica, na reunião de outubro do Comitê de Política Monetária (Copom).

Em um evento na manhã desta segunda, organizado pela Caixa Econômica Federal, Bolsonaro afirmou que governos anteriores baixaram a taxa de juros “na canetada”. “Hoje sem canetada está em 5%, deve chegar em 4,5%. Eu torço, né? Tivemos a coragem de enviar um projeto para o Congresso sobre independência do Banco Central, para não ter participação política como sempre tiveram”, disse.

Na mesma linha, o presidente da Caixa, Pedro Guimarães, afirmou que se a Selic seguir com a tendência de queda na reunião marcada para a próxima semana, o banco deve realizar novos cortes também das taxas cobradas no cheque especial e no cartão de crédito. Na semana passada, o governo limitou a cobrança dos juros mensais do cheque especial por parte dos bancos em 8%.

No último dia 12, a Caixa havia reduzido seus juros do cheque especial de 9,99% para 4,99%.

Publicidade

A próxima reunião do Copom está marcada para os dias 10 e 11 de dezembro.

(Com Reuters)

Publicidade