Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia

BC reduz taxa de redesconto para bancos e ajusta compulsório

Segundo o BC, mudanças surtirão efeito no sistema financeiro a partir de abril

Por Da Redação 21 fev 2013, 20h31

O Banco Central (BC) anunciou na noite desta quinta-feira a redução nas taxas cobradas das instituições financeiras que utilizarem o redesconto. Nas operações de um dia útil, o custo foi ajustado de Selic mais 6% ao ano para Selic mais 1% ao ano. A taxa das operações de até 15 dias úteis passou de Selic mais 4% ao ano para Selic mais 2%. Para operações de até 90 dias corridos, a taxa continua em Selic mais 2% ao ano. A circular que trata do assunto entra em vigor no segundo dia útil após a data de sua publicação.

A instituição informou ainda que foram feitos ajustes técnicos no compulsório sobre recursos à vista. A principal alteração está relacionada à eliminação da sobreposição de três dias entre os períodos de cálculo e de movimentação. Segundo o BC, a medida visa a simplificação e uniformização de procedimentos operacionais, “com impactos significativos na redução dos custos de observância das instituições financeiras e do Banco Central”. O corte nesse custo e nas taxas do redesconto também serve para adequar as taxas ao novo ambiente econômico.

Leia também:

Banco Central admite pela primeira vez que inflação ficará longe da meta

Dívidas comprometem menos a renda dos brasileiros, diz BC

Banco Central divulga novas regras para o sistema financeiro

De acordo com o BC, os ajustes técnicos no compulsório sobre recursos à vista vão produzir efeitos a partir de abril. Para as instituições financeiras que integram o Grupo A, a mudança vale para o período de cálculo de 15 a 19 de abril de 2013, cujo cumprimento se dará de 24 de abril a 7 de maio de 2013. Para o Grupo B, no período de cálculo de 22 a 26 de abril de 2013, o cumprimento ocorrerá de 2 a 14 de maio de 2013.

Quanto à redução da taxa cobrada das instituições que eventualmente tenham deficiências no cumprimento dos recolhimentos compulsórios, que caiu de Selic mais 14% para Selic mais 4% ao ano, a mudança vale a partir do dia 3 de abril, produzindo efeitos para as deficiências relativas às posições a partir de então.

(Com Estadão Conteúdo)

Continua após a publicidade
Publicidade