Clique e assine a partir de 9,90/mês

Audi faz recall de 850 mil carros a diesel

A revisão voluntária e gratuita é dirigida aos veículos com motores V6 e V8 TDI

Por Da redação - 21 jul 2017, 15h15

O fabricante alemão Audi, filial da Volkswagen, anunciou nesta sexta-feira um recall de até 850 mil veículos a diesel para reduzir suas emissões poluentes, dias depois de medida similar ser adotada pelo concorrente Daimler.

Essa convocação para uma revisão voluntária, gratuita para os clientes, é dirigida aos veículos com motores V6 e V8 TDI, que cumprem as normas Euro 5 e Euro 6 (as mais recentes) na Europa, Estados Unidos e Canadá. O recall não inclui os consumidores brasileiros, uma vez que a Audi não comercializa os modelos afetados no país.

Entre os veículos, também estão os carros das marcas Volkswagen e Porsche equipados com esses motores.

De acordo com a agência federal do setor (KBA), encarregada da homologação de veículos na Alemanha, a revisão consistirá em instalar um novo programa para melhorar “o comportamento de (suas) emissões nas condições reais de condução”, explica a Audi.

Continua após a publicidade

A montadora espera, assim, “contribuir para reduzir o conjunto das emissões nos centros urbanos” e para “dificultar possíveis proibições de circulação”.

Questionado, um porta-voz da Audi não deu detalhes sobre os países afetados, ou sobre a distribuição da revisão por marcas. Indicou apenas que os motores V6 e V8 TDI são uma “grande parte” dos veículos a diesel da Audi.

Em 2016, a companhia vendeu 1,87 milhão de carros, número que inclui todos os tipos de motores.

Esta semana, a também alemã Daimler estendeu uma medida de recall voluntário a mais de três milhões de veículos a diesel de sua marca Mercedes-Benz na Europa.

Continua após a publicidade

O debate sobre o destino dos veículos a diesel – com mais emissões poluentes (NOx) do que os modelos a gasolina – causa estragos na Alemanha, quase dois anos depois do escândalo dos motores a diesel manipulados da Volkswagen.

O governo convocou uma cúpula de crise sobre o diesel para 2 de agosto, em Berlim, no intuito de colocar autoridades políticas e montadoras à mesa para debater e negociar a questão.

A ideia é chegar a um acordo sobre um plano para reduzir as emissões poluentes dos veículos a diesel no país. Os fabricantes parecem ter decidido se antecipar e tomar a iniciativa para evitar a ameaça cada vez mais tangível, em várias metrópoles do país, de proibir a circulação dessa categoria de veículos por alguns dias da semana. Essa ameaça já começa a afetar a venda dos carros a diesel – agora em queda.

Durante anos, os fabricantes – não apenas alemães – se aproveitaram do que muitos consideram uma falha na regulamentação europeia: a desativação do controle das emissões poluentes em algumas condições. Entre elas, os casos de baixas temperaturas externas, já que isso protegia os motores.

Continua após a publicidade

(Com AFP)

Publicidade