Arrecadação baixa limita diálogo de Dilma com empresariado

Recolhimento de tributos abaixo do esperado faz com que governo tenha dificuldades em atender à grande maioria dos pedidos do setor produtivo

Por Da Redação - 3 nov 2014, 11h18

O prometido diálogo que a presidente Dilma Rousseff (PT) propôs reatar com os empresários a partir desta semana terá um forte limitador: o impacto de eventuais medidas de estímulo sobre as contas públicas. A arrecadação tributária tem ficado abaixo do esperado – falava-se em crescimento de 3,5% no ano, mas essa previsão já está, extraoficialmente, em menos de 1%. Essa frustração na receita contribuiu para que o governo tenha dificuldades em atender à grande maioria dos pedidos do setor produtivo.

É o caso, por exemplo, da medida mais aguardada neste fim de ano: a reforma do PIS/Cofins. “Como há impacto fiscal, essa medida tem de passar por uma avaliação política”, diz o secretário da Receita Federal, Carlos Alberto Barreto. Esta reforma traria ganhos para as empresas não só pela redução do tributo a pagar, mas também pela simplificação de procedimentos, desburocratização e aumento na segurança jurídica.

O problema é o impacto fiscal da medida que, segundo o ministro da Fazenda, Guido Mantega, chega a 15 bilhões de reais. A solução em estudo é adiar o impacto da mudança, provavelmente, para 2016.

Leia mais:

Publicidade

Arrecadação federal bate recorde em setembro, mas decepciona governo

Receita adia divulgação de dados da arrecadação para depois das eleições

Com empurrão do Refis, arrecadação tem recorde em agosto

Exportações – Enquanto as contas públicas não permitem novas “bondades”, resta adotar medidas na área de desburocratização e aperfeiçoamento regulatório. Na área comercial, o governo já começou a atuar. Hoje, quem exporta precisa se relacionar com 27 órgãos públicos diferentes. O código de classificação da mercadoria na Nomenclatura Comum do Mercosul (NCM) deve ser informado em treze papéis e o CNPJ da empresa em dezessete documentos. O governo começou a construir um portal único para receber essas informações de uma só vez. Mas esse programa será implantado aos poucos, até 2017.

Publicidade

“Tem muita coisa que dá para fazer e que não tem impacto fiscal”, diz o gerente executivo de Comércio Exterior da CNI, Diego Bonomo. Ele cita, por exemplo, um acordo de 2010 que abre caminho para reduzir a papelada no comércio com o Mercosul, mas que não está em vigor

Leia também:

UE leva o Brasil à OMC contra protecionismo industrial

Azevêdo: governos precisam decidir agora se OMC deve continuar

Publicidade

China critica medidas protecionistas brasileiras

Indústria – Mesmo diante de uma das piores crises já enfrentadas pela indústria brasileira, o governo não tem planos de mudar a rota adotada até agora. A política industrial do segundo mandato de Dilma deverá ser organizada em torno de três eixos: mais investimentos, melhora na educação e mais ganhos de escala. Os mecanismos deverão ser os mesmos, mas a equipe pretende melhorar a governança.

Falta ainda implantar pontos da política industrial do atual governo, parte do Plano Brasil Maior, lançado em 2011. É o caso da criação do Fundo de Financiamento à Exportação (FFEX) e do Fundo Garantidor de Crédito à Exportação (FGCE). Além disso, neste ano faltou dinheiro para a principal linha de financiamento à exportação e equalização de taxas de juros, o Proex.

Duramente criticado pelos tucanos, o Programa de Sustentação de Investimentos (PSI), que prevê crédito do BNDES a juros baixos, deverá prosseguir em 2015. A equipe de Dilma também pretende garantir que o programa que permite ao governo comprar preferencialmente produtos nacionais seja aplicada a todos os itens – e não só a alguns, como fármacos e equipamentos de tecnologias da informação.

Publicidade

(Com Estadão Conteúdo)

Publicidade