Clique e assine a partir de 9,90/mês

Arábia Saudita prevê déficit orçamentário recorde em 2015

Principal exportador mundial de petróleo estima que gastos superem receitas em 38,6 bilhões de dólares no ano que vem

Por Da Redação - 25 dez 2014, 12h58

A Arábia Saudita, principal exportador mundial de petróleo, anunciou nesta quinta-feira um orçamento estatal que prevê um déficit de 38,6 bilhões de dólares em consequência da queda dos preços da commodity. Se confirmado, será o primeiro déficit orçamentário do reino desde 2011 e o maior já registrado. Segundo comunicado, o Conselho de Ministros aprovou um orçamento de que prevê gastos de 860 bilhões de riais (229,3 bilhões de dólares) e arrecadação de 715 bilhões de riais (US$ 190,7 bilhões).

Na comparação com 2014, a previsão de gastos aumentou 5 bilhões de riais (1,33 bilhão de dólares). Já a estimativa de arrecadação teve queda de 140 bilhões de riais (37,3 bilhões de dólares).

Em 2003, a Arábia Saudita começou a anunciar orçamentos com excedentes pela primeira vez em décadas, mas em 2009 o país registrou um déficit de 23,1 bilhões de dólares pela queda da cotação do petróleo, provocada pela crise financeira mundial de 2008.

Leia mais:

Continua após a publicidade

Preços do petróleo vão se estabilizar, preveem ministros

Crise na Rússia: o que está em jogo e como o Brasil pode ser afetado

Petróleo fecha abaixo de US$ 60 pela 1ª vez em 5 anos

Os preços do petróleo, que responde por até 90% dos recursos obtidos pela Arábia Saudita, perderam quase metade do valor desde junho em consequência da oferta abundante, da desaceleração da demanda mundial por combustível e da valorização do dólar.

Continua após a publicidade

O ministro saudita das Finanças, Ibrahim al-Assaf, afirmou na semana passada que manteria no orçamento de 2015 os projetos de desenvolvimento, apesar da forte queda do preço do petróleo. A Arábia Saudita tem uma importante reserva de divisas e reduziu a dívida pública graças aos bons resultados do petróleo nos últimos anos, “o que dá ao país linhas defensivas para os anos de vacas magras”, disse o ministro.

(Com agência France-Presse)

Publicidade