Clique e Assine por somente R$ 2,50/semana

Acordo sobre dívida dos EUA pode estar próximo

Por Da Redação 31 jul 2011, 21h09

Por AE

Washington – Há menos de três dias do risco de o governo dos EUA ser obrigado a decretar default, líderes do Congresso disseram neste domingo que um acordo para aumentar o limite de endividamento do governo e resolver a crise de dívida está próximo de ser fechado. O porta-voz do líder da maioria no Senado, Harry Reid, informou que Reid aceitou o acordo sobre o teto de endividamento, mas que o bloco democrata no Senado também precisar aprovar.

O porta-voz disse que o voto no projeto pode ocorrer no final da noite de domingo, embora tenha alertado que a decisão final ainda não foi tomada. O líder dos democratas pretende finalizar os detalhes do rascunho do acordo em uma reunião com os parlamentares ou em uma conferência por telefone, informou o porta-voz.

O acordo prevê a elevação do teto do endividamento em US$ 2,4 trilhões em três etapas e o corte inicial de gastos no valor de US$ 900 bilhões durante 10 anos. Um comitê especial formado por parlamentares ficaria encarregado do levantar US$ 1,5 trilhão para financiamento do déficit por meio de uma revisão de impostos e mudanças em programas de segurança.

O aumento no teto do endividamento seria feito em três fases: US$ 400 bilhões iniciais; outros US$ 500 bilhões no final deste ano sujeitos a apreciação do Congresso; o terceiro aumento de US$ 1,5 trilhão seria suficiente para o governo cobrir todas as suas despesas até 2012, este também sujeito à apreciação do Congresso.

O mecanismo de apreciação do Congresso significa essencialmente que o Presidente Barack Obama autoriza o aumento no teto de endividamento após o voto do Congresso.

Um “super comitê” formado por seis democratas e seis republicanos ficará encarregado de encontrar uma forma de reduzir o déficit em cerca de US$ 1,5 trilhão. Isso pode vir principalmente pela mudança em programas como Social Security e Medicare e de uma revisão ampla de impostos.

Continua após a publicidade

Se o Comitê não conseguir resolver este item, o plano prevê uma redução automática do déficit em US$ 1,2 trilhão, que poderia ser em parte com gastos na defesa e parte em outros gastos, incluindo pagamentos aos fornecedores do Medicare. Os cortes não afetariam programas para população de baixa renda, aposentadoria, Medicaid e outras áreas da saúde.

O acordo também prevê que o Congresso vote uma emenda de Orçamento equilibrado. Antes de os detalhes terem sido divulgados no domingo pela manhã, os líderes do Congresso falaram amplamente sobre as discussões. “Posso dizer com muita confiança que o aumento no teto do endividamento evitará o default”, disse o líder da minoria no Senado, Mitch McConnell a CNN no sábado.

O senador Charles Schumer, democrata importante de Nova York, também em conversa com a CNN disse no começo do dia que as negociações estão em andamento: “Se existe uma palavra exata para expressar o ânimo é alívio.”

Após a manifestação dos dois senadores, o Senado rejeitou o projeto do senador Reid para elevar o teto da dívida e reduzir o déficit em US$ 2,2 trilhões. O plano do líder da maioria democrata teve 50 votos contra 49, quando precisava de ao menos 60 votos para ser aprovado.

Em Washington, os líderes enfrentam o prazo limite do dia 2 de agosto, terça-feira, no qual o limite de endividamento de US$ 14,29 trilhões precisa ser elevado para que o governo possa cumprir com suas obrigações financeiras.

O porta-voz do líder dos republicanos alertou no começo do dia que um acordo ainda não estava garantido. “As discussões estão se movendo na direção certa, mas o assunto ainda não está resolvido e nenhum acordo será finalizado até que todos tenham a chance de avaliá-lo”, afirmou o porta-voz.

O possível acordo será suficiente para salvar a economia norte-americana de despencar no precipício e voltar à recessão, afirmou Mark Zandi, economista da Moodys.com. Zandi afirmou à CNN que o acordo que está sendo desenhado em Washington parece ser suficiente para dar um “impulso” à recuperação da economia ao evitar o pior impacto de um potencial default, incluindo o aumento nas taxas de juros. O economista alertou que as consequências econômicas de um default, e a possibilidade de uma rebaixamento no rating pela Moody’s ou Standard & Poor’s, torna crucial a decisão sobre o teto do endividamento. As informações são da Dow Jones.

Continua após a publicidade
Publicidade