Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Em dezembro, 71% dos brasileiros não conseguiram poupar

Entre os entrevistados, 34% afirmaram ter o hábito de poupar, mas em dezembro apenas 21% dos consumidores conseguiram economizar

Por Da redação Atualizado em 19 fev 2018, 19h19 - Publicado em 19 fev 2018, 13h10

A maioria dos consumidores (71%) não conseguiu poupar nenhum centavo durante o mês de dezembro. Destes, 40% apontaram a renda muito baixa como motivo para não economizar. Os dados foram divulgados nesta segunda-feira pelo Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil) e pela Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL).

Outros 17% disseram não ter qualquer fonte de renda e 16% foram surpreendidos por algum imprevisto durante dezembro. Para 13%, o descontrole de gastos e a falta de disciplina para guardar o que recebem de salário impossibilitaram a economia.

O fim do ano foi difícil até mesmo para os brasileiros que costumam guardar dinheiro. Entre os entrevistados, 34% afirmaram ter o hábito de poupar, mas, em dezembro, apenas 21% deles conseguiram economizar – no mês anterior, o índice foi de 20%.

Proteger-se contra imprevistos é o principal motivo para que os brasileiros poupem dinheiro (37%). Outras razões apontadas pelos entrevistados são garantir um futuro melhor para a família (24%), fazer uma viagem (22%) e ter uma reserva no caso de ficar desempregado (21%). Em média, o valor poupado em dezembro foi de 571,91 reais – em novembro, a quantia havia sido menor, cerca de 400,57 reais.

Quem economiza prefere recorrer à poupança (57%) para guardar o dinheiro. Ainda assim, 27% afirmaram deixá-lo na própria residência e 17% mantêm o dinheiro na conta-corrente. Opções mais rentáveis de investimentos foram menos citadas pelos poupadores: fundos de investimentos (9%), previdência privada (8%), Tesouro Direto (7%), CDBs (5%) e ações (5%).

Entre os que já possuem reserva financeira, 49% tiveram de sacar parte dos recursos guardados em dezembro. Alguns motivos apontados são imprevistos (14%), compra (13%) e pagamento de dívidas (11%).

O levantamento foi realizado em doze capitais que abrangem as cinco regiões brasileiras. A amostra da SPC Brasil e CNDL entrevistou 800 pessoas.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)