Assine VEJA por R$2,00/semana
Imagem Blog

Real Estate Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO

Por Renata Firpo
Grandes negócios e tendências do mercado imobiliário. Renata Firpo é publicitária, consultora imobiliária e advogada pós-graduada em Direito imobiliário
Continua após publicidade

O crescimento de um dos maiores redutos de milionários no litoral do país

Na alta temporada de verão, preços dos imóveis alcança valores recordes num dos principais pontos turísticos da costa brasileira

Por Renata Firpo
Atualizado em 21 dez 2023, 13h09 - Publicado em 21 dez 2023, 11h35

O reduto milionário dos baianos, especialmente os da capital Salvador, tem endereço específico: Praia do Forte, um balneário de 10 quilômetros de praia pontilhada por coqueiros e piscinas naturais. Nessa época de final de ano, como é de praxe em todas as cidades litorâneas do Brasil, o cartão-postal atinge seu ápice de visitantes e circulação de dinheiro com a locação de casas para a alta temporada.

A Praia do Forte está localizada no município de Mata de São João, a 70 quilômetros de Salvador pela rodovia Linha Verde. O percurso é recheado de condomínios e praias paradisíacas. Mas nenhuma dessas atrações tem o charme e a dose de sucesso da Praia do Forte, a estrela do pedaço. 

Inicialmente uma vila de pescadores nos anos 70, o local teve o seu nome batizado em função do forte que fazia a segurança do local. Ele acabou sendo instalado ali por ser o ponto mais alto da região. O forte foi desativado há tempos para fins militares e virou palco de casamentos e festas badaladas. A badalação tomou impulso com o movimentado centrinho, hoje ponto de restaurantes e lojas de marcas famosas. Aos poucos, porém, a área deixou de ser o grande point do agito. Na esteria da supervalorização imobiliária ocorrida nas últimas décadas, vieram os grandes projetos arquitetônicos em que os moradores nem precisam sair mais de suas casas para se divertirem, já que vivem em um clube particular voltado para o lazer com enormes área gourmet e piscinas deslumbrantes, entre outros atrativos. Algumas propriedades por lá chegam a valer 25 milhões de reais. 

CASAS DE 25 MILHÕES DE REAIS

A exemplo da maior parte dos destinos de segunda residência do país, a Praia do Forte registrou uma alta de preços após a pandemia. Atualmente, um terreno de 600 m² na região custa aproximadamente 1 milhão de reais. Dependendo da localização, essa mesma metragem pode chegar até mesmo a 4 milhões reais, cifra duas vezes maior que a registrada há cinco anos. As casas construídas nesses espaços fazem jus ao preço do terreno. Os projetos foram ficando cada vez mais sofisticados, com arquitetos renomados do Brasil como David Bastos , Sidney Quintela e Sandra Sampaio.

Continua após a publicidade

Para quem estuda o local com olhar de investidor, a  conta é simples: o aluguel em uma semana durante o réveillon , que custa em média 60 mil reais para uma casa de 4 suítes, paga todos os custos do imóvel ao longo do ano, o que faz com que praticamente todos os proprietários deixem sua casa para locação. A ciranda de negócios na alta temporada faz girar a roda da circulação de dinheiro na região.

Ballalai, famoso corretor de Praia do Forte e morador do local há mais de dez anos, contou à coluna Real Estate que ainda vale muito a pena comprar um terreno, construir uma casa para posteriormente vender ou deixar para alugar e ter a garantia de uma renda recorrente. No entanto, comprar um lote pela região está cada vez mais difícil, já que quase não existem mais terrenos grandes disponíveis para incorporar novos condomínios. “Praia do Forte é a menina dos olhos de dez entre dez baianos. Quem não tem casa aqui, gostaria de ter, pois não tem como replicar este charmoso endereço, onde nenhum outro faz concorrência com o lugar.”, concluiu Ballalai.

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO

Ao contrário do que se vê em outras localidades do nordeste, ali há poucos estrangeiros. Quem investe no mercado imobiliário local são mesmo os baianos mais endinheirados. Por ironia, o idealizador da Praia do Forte foi justamente um forasteiro, o empresário germano-brasileiro Klaus Peter, que comprou diversos loteamentos nos anos 70 tendo o sonho de transformar o povoado simples, de ruas de barro, num grande polo de turismo. E conseguiu. Mais que turismo, o lugar se transformou num rentável ponto de investimento, principalmente para o mercado imobiliário. Foi graças ao cuidado do projeto urbanístico planejado de Klaus Peter, inclusive, que a Praia do Forte se desenvolveu de forma organizada e preservando a natureza. Não é por acaso que ali está o famoso Projeto Tamar, voltado para preservação da fauna marinha, principalmente das tartarugas.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.