Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês
Radar Por Robson Bonin Notas exclusivas sobre política, negócios e entretenimento. Com Gustavo Maia, Laísa Dall'Agnol e Lucas Vettorazzo. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

O que diz Arthur Lira sobre a privatização da Petrobras

Presidente da Câmara diz que polarização no Brasil é entrave e volta a criticar ICMS: 'mal gigantesco na conta do combustível'

Por Laísa Dall'Agnol 27 Maio 2022, 19h01

O presidente da Câmara Arthur Lira (PP-AL) declarou nesta sexta não ver no horizonte a concretização de privatização da Petrobras — ao menos, não até o fim das eleições deste ano.

Lira sugeriu, inclusive, que o governo considere a venda da participação das ações da empresa sob controle do BNDES — cerca de 14% —, deixando de ter o controle acionário da estatal.

“Imagina, num Brasil polarizado como a gente vive, você votar uma PEC da Petrobras. A privatização completa, acho que o tempo talvez seja inadequado, muito pouco (…) O governo pode, por um projeto de lei, numa discussão mais rápida, vender as ações que têm no BNDES. Ele deixaria de ser majoritário e tiraria das costas essa responsabilidade da Petrobras”, declarou em entrevista à Rádio Bandeirantes.

Lira voltou a defender o subsídio do óleo diesel para caminhoneiros e outras categorias como forma de conter a inflação e criticou a forma como é calculado o ICMS, afirmando que não são os governadores os responsáveis pelo aumento do combustível, mas sim o dólar e a alta do petróleo.

Nesta semana, a Câmara aprovou o projeto que limita o imposto sobre tarifas como combustíveis, transporte coletivo e energia elétrica. O texto segue para o Senado e o presidente da Casa, Rodrigo Pacheco, já se mostrou favorável. A proposta é fortemente criticada por governadores, que vão ver a receita dos estados reduzir consideravelmente.

“O ICMS é um mal gigantesco na conta do combustível. A alíquota de 34%, 30%, 29% em cima da cadeia. Isso por dentro e por fora ainda é muito maior à carga de imposto, 34% que você cobra chega a quase 50%. E 30% que você cobra chega a mais de 40% no final da cadeia. Então em alguns estados isso é metade do custo do que o usuário abastece seu carro ou paga sua conta de energia”, disse Lira.

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)