Veja Digital - Plano para Democracia: R$ 1,00/mês
Radar Econômico Por Victor Irajá Análises e bastidores exclusivos sobre o mundo dos negócios e das finanças. Com Diego Gimenes e Felipe Erlich

Como Queiroga na Saúde pode atrapalhar as reformas no Congresso

O discurso dos "remédios fatais" de Lira é resultado de vários ressentimentos recentes do Centrão com Bolsonaro

Por Josette Goulart Atualizado em 29 mar 2021, 19h47 - Publicado em 26 mar 2021, 10h46

Quando o presidente Jair Bolsonaro tirou da manga o médico Marcelo Queiroga para o Ministério da Saúde, ficou no ar aquela certeza de que o Centrão foi atingido porque queria a doutora Ludhmila Hajjar. Mas o baque foi sentido mesmo pelo deputado Wellington Roberto, líder do PL na Câmara, aliado de primeiríssima hora do presidente da casa Arthur Lira (PP) e conterrâneo de Queiroga. Fontes muito próximas ao deputado contam que Roberto não gostou nada de ver que de uma hora para outra ganhou um adversário na Paraíba para as eleições ao governo do Estado. Um adversário  com holofotes. Se Roberto não gostou, Lira menos ainda, já que além disso tinha na manga o deputado dr. Luizinho (PP) para o cargo de ministro da Saúde.

Mas os ressentimentos não param por aí. Lira também não gostou de ter tido uma indicação barrada para um cargo no Banco do Brasil. Isso significa que o governo anda desagradando demais os principais partidos do Centrão e por tabela o cacique Ciro Nogueira (PP). Há quem diga que os “remédios fatais” do discurso do presidente da Câmara, nesta semana, saíram desses tantos desgastes da relação. Se no discurso ficou no ar a ameaça de impeachment, na prática, o que alguns deputados dizem, é que o governo vai dificultando seu caminho para aprovar as reformas econômicas da forma como gostaria. Resumindo: sobra depois para o ministro Paulo Guedes dar explicações ao mercado.

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Plano para Democracia

- R$ 1 por mês.

- Acesso ao conteúdo digital completo até o fim das eleições.

- Conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e acesso à edição digital da revista no app.

- Válido até 31/10/2022, sem renovação.

3 meses por R$ 3,00
( Pagamento Único )

Digital Completo



Acesso digital ilimitado aos conteúdos dos sites e apps da Veja e de todas publicações Abril: Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Placar, Superinteressante,
Quatro Rodas, Você SA e Você RH.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)