Assine VEJA por R$2,00/semana
Imagem Blog

Radar Econômico Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO

Por Victor Irajá
Análises e bastidores exclusivos sobre o mundo dos negócios e das finanças. Com Diego Gimenes e Felipe Erlich
Continua após publicidade

A harmonia entre Bradesco e BB para tirar a Cielo da bolsa da valores

Presidente do Bradesco descarta compra de ações que pertencem ao banco estatal, que gosta de ter como sócio

Por Felipe Erlich
Atualizado em 7 fev 2024, 16h13 - Publicado em 7 fev 2024, 14h46

Após a Cielo anunciar que dois dos maiores bancos do país, o Bradesco e o Banco do Brasil (BB), vão adquirir todas as ações remanescentes da empresa — fechando seu capital — o presidente do bancão privado, Marcelo Noronha, frisou a aposta na sociedade com o concorrente estatal. Noronha negou que haja interesse por parte do Bradesco em comprar a participação do BB e ficar com a empresa de maquininhas só para si. “A gente gosta do sócio. Aparentemente eles gostam da gente”, disse a jornalistas nesta quarta-feira, 7.

Atualmente, o Bradesco tem uma fatia de 30,06% da Cielo, enquanto o BB controla 28,65% dos papéis da empresa. O banco privado não informou o percentual de ações que gostaria de atingir com o fechamento de capital. O BB, por outro lado, comunicou ao mercado que seu aumento de participação pode chegar a 49,99% do total de ações, deixando as demais para o Bradesco. Noronha foi questionado nos corredores da Cidade de Deus, sede do banco, se realmente conseguiria ter sucesso na parceria com o BB, seu competidor. A todos que perguntam, ele responde em tom otimista. “Vamos poder lidar com uma Cielo fechada estabelecendo metas que são diferentes de uma empresa de capital aberto”, diz.

O executivo também comentou sobre os efeitos da limitação dos juros do rotativo do cartão de crédito, imposta pelo Congresso. “O impacto é negativo, mas ele não é material. Para este ano, não estamos vendo um impacto com o qual não conseguimos lidar”, diz. Noronha afirma que o diálogo com outras instituições financeiras e com o Banco Central para encontrar uma saída segue a todo vapor. O setor bancário teme que, se não for solucionada, a limitação dos juros precise ser compensada com uma redução considerável na oferta de crédito.

Siga o Radar Econômico no Twitter

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.