Assine VEJA por R$2,00/semana
Imagem Blog

Radar Econômico Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO

Por Victor Irajá
Análises e bastidores exclusivos sobre o mundo dos negócios e das finanças. Com Diego Gimenes e Felipe Erlich
Continua após publicidade

A agência de viagens que cancela pacotes de última hora e atrasa reembolso

Fully Viagens alega baixo número de passageiros ao cancelar pacotes e atrasa reembolso a centenas de clientes

Por Diego Gimenes Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO
Atualizado em 27 nov 2023, 16h19 - Publicado em 27 nov 2023, 14h31

A agência Fully Viagens tem dado bastante dor de cabeça aos consumidores. Com sede em São Paulo, a empresa oferta pacotes de viagens e hospedagens a cidades vizinhas e a outros estados, como Rio de Janeiro e Minas Gerais. O problema é que os pacotes são cancelados pela companhia poucos dias antes do embarque dos passageiros. Mensagens enviadas por e-mail aos clientes informam que as viagens não vão mais acontecer “devido à baixa aquisição ou falta do número mínimo de passageiros”. Centenas de relatos publicados na plataforma Reclame Aqui e enviados ao Radar Econômico dão conta que o reembolso aos passageiros é postergado constantemente pela Fully Viagens. Alguns consumidores alegam que estão esperando pelo reembolso há mais de dois anos.

A história se repete. Quando o Procon é acionado pelo consumidor, a empresa estipula um novo prazo para o reembolso, que normalmente não é cumprido. Procurada pela coluna, a Fully Viagens não se posicionou até a publicação da matéria. O Procon-SP enviou uma nota ao Radar Econômico, reproduzida na íntegra a seguir, mas não deu detalhes sobre o caso específico da agência.

Posicionamento do Procon-SP:

“As reclamações dos consumidores registradas no Procon-SP são encaminhadas diretamente para os fornecedores, com o órgão atuando como intermediador entre as partes, sempre tendo em vista o Código de Defesa do Consumidor e suas atribuições como instância administrativa. Quando a empresa não responde – ou responde negativamente – o consumidor é orientado a procurar a Justiça, munido da documentação fornecida pelo órgão de defesa, que comprova a tentativa de resolução do problema de boa-fé. Quando uma empresa adota reiteradamente uma prática que desrespeita a legislação, o Procon-SP também pode adotar medidas de caráter coletivo como, por exemplo, aplicação de multa, dentre outras previstas na Lei 8.78/90, o CDC”.

Siga o Radar Econômico no Twitter

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.