Assine VEJA por R$2,00/semana
Imagem Blog

Neuza Sanches

Por Neuza Sanches
Negócios, Mercados & Cia
Continua após publicidade

Criptoativos: é hora de investir?

Grandes instituições financeiras reveem suas posições e passam a recomendar investimentos em fundos de criptoativos; fase boa justifica

Por Neuza Sanches Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO Atualizado em 9 Maio 2024, 11h28 - Publicado em 11 mar 2024, 08h00

Grandes instituições financeiras como Bank of America (BOFA), Morgan Stanley e Wells Fargo, que inicialmente torciam o nariz quando o assunto dizia respeito aos ETFs de moedas digitais, estão reconsiderando a decisão de não distribuir esse tipo de fundo devido à demanda dos clientes. Esse movimento é só um exemplo do interesse crescente pelo produto e uma mudança de perspectiva no mercado financeiro tradicional em relação às criptomoedas.

Existe também o caso envolvendo o ex-CEO da Vanguard Tim Buckley, que anunciou sua aposentadoria no início deste ano. Antes, uma de suas decisões mais polêmicas foi recusar a negociação de ETFs de bitcoin à vista na Bolsa de Nova York, com o argumento de que não via vantagem a longo prazo para o produto. A bola está agora com Greg Davis, que vai assumir o comando da administradora de recursos, uma das maiores do mundo. Há alguns anos, Davis chegou a dizer que a tecnologia das criptomoedas “tinha grande valor”.

No Brasil, o Bitcoin (BTC) está próximo de atingir seu pico histórico em reais, que foi de R$ 380.870 em novembro de 2021. Na sexta-feira passada, o valor bateu em R$ 350.000. Ou seja, uma diferença de 8%. Fato é que a aprovação dos ETFs de BTC pela SEC (o órgão americano equivalente à nossa Comissão de Valores Mobiliários), em janeiro passado, atraiu um grande número de novos investidores para esse mercado. Apenas nos dois primeiros dias de negociação, o movimento foi de US$ 9,6 bilhões em negócios, segundo dados da Bloomberg. E esses investidores agora já não têm como maior preocupação quem faz a custódia do ativo.

O bitcoin se comporta de forma volátil em relação às outras moedas, como o dólar. O dólar, regulamentado e controlado pelo Federal Reserve dos EUA, é uma moeda centralizada, enquanto o bitcoin é descentralizado e baseado em criptografia. A relação entre o bitcoin e o dólar é influenciada por diversos fatores econômicos e de mercado, como a taxa de juros e eventos geopolíticos.

Continua após a publicidade

Embora o bitcoin ainda não seja considerado uma proteção contra inflação, especialistas acreditam que essa percepção pode mudar no futuro à medida que diminuir a sua volatilidade. Para alguns, o ativo é “ouro digital”. Para o pequeno investidor, é importante ressaltar que o bitcoin é um investimento de alto risco e retorno volátil, sujeito a rápidas reviravoltas de preços.

 “Continuamos muito positivos para o mercado, aguardando o evento do ‘halving’”, afirma Axel Blikstad, sócio fundador e CEO da BLP Crypto. Inscrito no próprio código da moeda, “halving” é a redução pela metade da quantidade de bitcoins que os mineradores recebem de recompensa; acontece a cada quatro anos, e a expectativa é de que isso aconteça de novo agora em abril.  “A oferta de BTCs cairá de 900 para 450 por dia; basicamente, significa que sua inflação atualmente em 1,75% a.a. cairá para próximo de 0,90% a.a. da noite para o dia. Isso faz com que a oferta fique ainda mais escassa e, com uma demanda crescente pelos ETFs, deverá ter uma influência positiva nos preços do ativo”, explica Blikstad. 

Além de eventos específicos como o do “halving”, o mercado tradicional está esperando o Federal Reserve (Fed, o banco central americano) sinalizar o início do corte de juros; que também poderá ser um fator positivo para os criptoativos. Ou seja, embora seja um setor de solavancos a exemplo do mercado de ações, investir em criptoativos entra em nova fase de ebulição.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.