Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês
Maílson da Nóbrega Por Coluna Blog do economista Maílson da Nóbrega: política, economia e história

Juros do BNDES: chegou a hora de dar fim à TJLP

A criação da nova taxa, a TLP, vai eliminar pelo menos cinco distorções decorrentes da utilização da atual metodologia

Por Maílson da Nóbrega 17 jul 2017, 16h28

O Brasil pode ver-se livre dos efeitos negativos dos subsídios nas operações de crédito do BNDES. A solução virá caso seja aprovada a medida provisória 777, que cria a Taxa de Longo Prazo.

É justificável conceder subsídios de crédito em investimento que gerem elevados retornos sociais. Se o sistema de crédito privado não se dispuser a financiá-lo, essa falha de mercado deve ser resolvida por ação do Estado. Isso acontece em todo o mundo.

No Brasil, esse subsídio, em especial no BNDES, virou fonte de distorções, o que foi acentuado no governo Dilma com a vultosa transferência de recursos do Tesouro ao banco (mais de R$ 600 bilhões a preços de hoje), para apoiar a formação de “campeões nacionais” ou simplesmente para disseminar a concessão de crédito a juros camaradas.

O festival de subsídios propiciada pela TJLP (Taxa de Juros de Longo Prazo), cria pelo menos cinco distorções:

  • O BNDES remunera o Tesouro com juros equivalentes à TJLP, muito inferior à dos títulos públicos federais. As perdas do Tesouro ficam escondidas na dívida pública, sem conhecimento da sociedade. Caso se justifique o subsídio,o certo é que ele conste expressamente do Orçamento, em nome da transparência;
  • As operações do BNDES à TJLP não são influenciadas pela Selic, que é a taxa básica do Banco Central. Isso reduz a potência da política monetária. Como a Selic se transmite apenas a uma parte do crédito da economia, ela terá que ser maior do seria normal para produzir os efeitos desejados. Quem não toma crédito no BNDES paga juros mais altos do que deveria;
  • Como o crédito do BNDES se ampliou muito, é provável que a TJLP tenha viabilizado investimento que não eram os melhores para a economia. Isso contribuía para piorar a alocação de recursos e para reduzir a produtividade;
  • Empresas que podiam financiar seus investimentos aplicavam seus recursos no mercado financeiro e recorriam ao crédito do BNDES. Havia transferência de recursos da sociedade para mãos privadas, piorando a distribuição de renda;
  • A TJLP inibe a utilização do mercado de capitais para financiar investimentos. Nosso mercado de capitais já tem dimensão para se tornar fonte relevante de crédito, mas a TJLP dificulta o exercício dessa relevante função.

O governo teve o cuidado de evitar uma brusca mudança da TJLP para a TLP. A TLP começará no mesmo nível da TJLP e convergirá no prazo de cinco anos. Mesmo assim, o presidente do BNDES criticou a medida. Defendeu que se atrelasse a TLP à meta de inflação. Os devedores iriam torcer para que a taxa de inflação fosse sempre superior à meta, o que proporcionaria o subsídio em seu favor.

O presidente do BNDES recuou de sua ideia, mas forneceu munição ao lobby empresarial favorável à manutenção da TJLP. Incrível, não?

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)