Clique e assine a partir de 9,90/mês
Radar Por Robson Bonin Notas exclusivas sobre política, negócios e entretenimento. Com Evandro Éboli, Mariana Muniz e Manoel Schlindwein. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

Bancos internacionais acenam com 1,8 bi de dólares à Odebrecht

Recursos vão financiar a conclusão das obras do metrô no Panamá, onde a empresa brasileira também responde a processos por corrupção

Por Gabriel Mascarenhas - Atualizado em 22 fev 2017, 10h37 - Publicado em 22 fev 2017, 09h24

Enquanto amarga a pior crise de sua história, a Odebrecht comemorou ao menos uma vitória nos últimos dias.

A companhia é responsável pela construção da linha 2 do metrô no Panamá, em parceria com a espanhola FCC, num contrato de 2 bilhões de dólares.

A empreitada vinha sendo bancada com recursos públicos, mas o governo panamenho decidiu trancar o caixa quando vieram a público as denúncias de corrupção contra a empresa brasileira no país. Na segunda-feira, inclusive, as autoridades locais entraram com uma ação para pedir o ressarcimento dos desvios praticados pela Odebrecht no Panamá.

Sem a grana do erário, o consórcio espano-brasileiro, que recebeu 200 milhões de dólares até agora, passou o chapéu em instituições privadas e, na semana passada, conseguiu apresentar a documentação exigida por bancos internacionais para a liberação de um financiamento de 1,8 bilhão de dólares.

Continua após a publicidade

Até agora, 33% da obra está concluída. Os nome dos bancos que toparam financiar o restante da construção são mantidos em sigilo.

Publicidade