Clique e assine a partir de 9,90/mês
Radar Por Robson Bonin Notas exclusivas sobre política, negócios e entretenimento. Com Evandro Éboli, Mariana Muniz e Manoel Schlindwein. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

Guerra em curso na Câmara mexe com o setor de óleo e gás

Projeto de lei pretende exigir que embarcações de regaseificação contratem empresas brasileiras de navegação

Por Mariana Muniz - Atualizado em 31 out 2019, 14h01 - Publicado em 31 out 2019, 11h29

Está em curso na Câmara dos Deputados mais uma guerra comercial envolvendo o setor de óleo e gás. Tramita por lá um projeto de lei que pretende exigir que todos os tipos das chamadas embarcações de regaseificação – que atuam paradas, sem fazer qualquer tipo de navegação – sejam obrigadas a contratar empresas brasileiras de navegação.

A proposta é do deputado Hugo Leal (PSD-RJ), e pretende revogar uma regulamentação da Antaq que dá amparo legal para que essas embarcações consigam operar conectadas às usinas termelétricas, sem um “intermediário”.

O setor briga contra o texto por entender que a mudança geraria milhões em custos adicionais e traria insegurança jurídica para as empresas, muitas delas estrangeiras. Além disso, afirmam que a exigência abre um precedente perigoso para outras modalidades de embarcações estáticas que se preparam para explorar o pré-sal.

Publicidade