Clique e assine com até 92% de desconto
Radar Por Robson Bonin Notas exclusivas sobre política, negócios e entretenimento. Com Evandro Éboli, Mariana Muniz e Manoel Schlindwein. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

Enquanto o governo fala em nova CPMF, conheça a mamata no BNDES

Banco tem verba para mercado, verba para restaurante, verba para pagar escola e, claro, para custear plano de saúde...

Por Robson Bonin Atualizado em 17 jul 2020, 10h59 - Publicado em 17 jul 2020, 09h13

Enquanto o governo de Jair Bolsonaro se desgasta defendendo criação de imposto em plena crise, o BNDES é uma ilha de prosperidade com penduricalhos generosos para seus funcionários, que já ganham em médias salários inacessíveis para a esmagadora maioria da população brasileira.

Para o brasileiro comum, que não tem o orçamento público do BNDES, o sofrido auxílio emergencial é de 600 reais. Para a turma do banco, só o auxílio alimentação, para coisas de mercado, é de 636 reais. Além dele, tem 1.478 reais mensais para gastar em restaurante, ainda que nenhum restaurante estivesse aberto durante muito tempo na pandemia.

ASSINE VEJA

Crise da desigualdade social: a busca pelo equilíbrio Leia nesta edição: Como a pandemia ampliou o abismo entre ricos e pobres no Brasil. E mais: entrevista exclusiva com Pazuello, ministro interino da Saúde
Clique e Assine

Achou muito? Tem mais. O banco paga auxílio educação mensal de 1.225 por dependente com idade inferior a 17 anos e 11 meses. Tem, claro, o auxílio saúde, que sai por 1.481 reais.

A farra no BNDES é apenas um caso. Tem muitos outros em estatais, como o Radar mostrará nos próximos dias. E o governo querendo que você pague mais imposto.

Continua após a publicidade
Publicidade