Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia
Radar Por Robson Bonin Notas exclusivas sobre política, negócios e entretenimento. Com Gustavo Maia, Laísa Dall'Agnol e Lucas Vettorazzo. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

Enquanto mira em Pazuello, TCU aprova política do BC na pandemia

'Providências tomadas pelo Banco Central na pandemia de Covid-19 contribuíram para a expansão da concessão de crédito', diz o tribunal

Por Robson Bonin Atualizado em 27 abr 2021, 10h26 - Publicado em 27 abr 2021, 13h29

Enquanto bate na incompetência do ex-ministro da Saúde Eduardo Pazuello — o general da ativa foi flagrado sem máscara num shopping de Manaus no fim de semana –, o TCU avança na fiscalização de outros setores do governo de Jair Bolsonaro. E, veja só, encontra bons exemplos de atuação no combate ao caos econômico da pandemia.

Em auditoria nas ações do Banco Central de Roberto Campos Neto, por exemplo, o tribunal reconhece sucesso no trabalho. “As providências tomadas pelo Banco Central do Brasil em face da crise provocada pela pandemia de Covid-19 contribuíram para a expansão da concessão de crédito pelas instituições financeiras”, diz o TCU.

É o terceiro acompanhamento realizado pelo TCU para verificar a atuação do BC em sua regulação do Sistema Financeiro Nacional durante a pandemia. O trabalho avaliou tanto as medidas adotadas na supervisão do Sistema Financeiro Nacional, em relação à sua capacidade para suportar períodos de baixa atividade econômica e aumento da inadimplência, quanto a adequação do provimento de liquidez diante da necessidade de crédito. Também foram analisados a interlocução com agentes internacionais reguladores e o gerenciamento dos próprios riscos provenientes das novas medidas regulatórias.

“Em acompanhamentos anteriores sobre o tema, o Tribunal havia constatado que, embora o crédito estivesse fluindo para a economia, o segmento das micro e pequenas empresas estava severamente desassistido. O BC, no entanto, implementou uma série de medidas direcionais de capital e de liquidez para fomento do crédito ao segmento”, diz o TCU.

Continua após a publicidade
Publicidade