Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês
Radar Econômico Por Josette Goulart Análises e bastidores exclusivos sobre o mundo dos negócios e das finanças. Com Diego Gimenes.

Três eventos recentes podem mudar radicalmente o futuro da Petrobras

Em menos de uma semana, houve uma escalada na pressão mundial pelo fim do uso de combustíveis fósseis

Por Josette Goulart Atualizado em 27 Maio 2021, 08h42 - Publicado em 27 Maio 2021, 08h40

Em menos de uma semana, três acontecimentos internacionais mostraram uma escalada da pressão para o fim do uso de combustíveis fósseis e estão dando sinais de como o futuro da Petrobras pode mudar radicalmente. Na quarta-feira, 26, um investidor ativista que tem insignificantes 0,02% das ações da Exxon ganhou dois assentos no conselho da petroleira. Enquanto a Exxon defende expandir perfuração, o Engine n.1 defende que a empresa diversifique gradualmente seus investimentos para estar pronta para um mundo que precisará de menos combustíveis fósseis nas próximas décadas. Com esse discurso, o fundo ativista teve apoio de diversos outros acionistas incluindo a BlackRock, o maior gestor de fundos do mundo e que é também acionista relevante da Petrobras. A BlackRock tem 5% das ações preferenciais da estatal brasileira e sua decisão de apoiar os ativistas na Exxon mostra que a gestora está levando a sério o compromisso que assumiu de zerar emissão de carbono até 2050 e que isso não será feito apenas indo embora das empresas, mas interferindo nos seus processos decisórios. 

Outro evento da quarta-feira, que deveria acender os alertas da Petrobras, foi a decisão de um tribunal holandês que concluiu que a Shell é parcialmente responsável pela mudança climática no mundo e ordenou que a empresa reduza em 45% suas emissões de carbono até 2030. O terceiro evento foi o relatório divulgado pela Agência Internacional de Petróleo, na semana passada,  produzido a pedido do Reino Unido que vai sediar o próximo evento mundial do clima. Sem meias palavras, a agência diz que se os países estão mesmo comprometidos em zerar a emissão de carbono até 2050, o mundo tem que parar hoje de fazer novos investimentos em petróleo e gás. Parar mesmo. Zero de investimentos, diz o relatório da agência.

+COP26: investimento em petróleo tem que parar já e carro a gasolina morrer

 

Continua após a publicidade
Publicidade