Clique e assine a partir de 9,90/mês
Radar Econômico Por Machado da Costa Análises e bastidores exclusivos sobre o mundo dos negócios e das finanças.

Ser Educacional firma aquisição da Laureate no Brasil por R$ 4 bilhões

Entre os ativos da Laureate no país estão as unidades do Centro Universitário FMU e da Universidade Anhembi Morumbi

Por Felipe Mendes - Atualizado em 13 set 2020, 21h50 - Publicado em 13 set 2020, 20h21

Depois de algumas semanas de negociação, o Grupo Ser Educacional firmou a aquisição de todas as operações brasileiras da Laureate, dona de ativos como o Centro Universitário FMU e a Universidade Anhembi Morumbi. Os valores envolvidos giram em torno de 4 bilhões de reais e incluem o pagamento em caixa de 1,7 bilhão de reais pelo Ser, o recebimento de dívida líquida de 623 milhões de reais e a entrega de 44% das ações da nova companhia à Laureate. A conclusão do negócio ainda dependerá de avaliação do Conselho Administrativo de Defesa Econômica, o Cade.

Com a negociação, o Ser Educacional, conhecido por sua robustez no Norte e no Nordeste, finca os pés de vez em regiões como Sul e Sudeste do país, posicionando-se como a quarta maior empresa de educação superior no país, com cerca de 450.000 alunos nas modalidades de ensino presencial e a distância. O grupo Laureate detinha 50 campi universitários e atuação em sete estados brasileiros, com mais de 267.000 estudantes matriculados.

“O Grupo Ser Educacional, durante os seus 17 anos de trajetória, sempre buscou crescer de forma orgânica e por meio de aquisições. A negociação, com a consequente incorporação da Laureate Brasil pelo Grupo Ser Educacional, trará benefícios para ambas as companhias e nos permitirá dar um passo grandioso no aprimoramento do ensino superior do Brasil”, afirma o CEO do Grupo Ser Educacional, Jânyo Diniz. “A Laureate Brasil é referência de oferta de cursos na área de saúde, especialmente em Medicina. Concluindo a incorporação, iremos agregar 11 instituições de ensino ao nosso portifólio e ampliar nossa presença em quase todos os estados do Brasil”, acrescenta.

O atual controlador e fundador do Grupo Ser Educacional, Janguiê Diniz, continuará no comando da empresa, com direito a nomear a maioria dos membros do Conselho de Administração e executivos da nova companhia, fruto da combinação dos negócios. Diniz, que hoje possui 57,36% das ações da Ser Educacional, passará a deter 32,1% do novo conglomerado educacional, mas ainda se manterá como maior acionista individual e com direitos de acionista principal. A nova empresa terá papéis listados em uma bolsa de valores dos Estados Unidos, a ser escolhida ainda.

Continua após a publicidade
Publicidade