Clique e assine com até 92% de desconto
Radar Econômico Por Machado da Costa Análises e bastidores exclusivos sobre o mundo dos negócios e das finanças.

Por que todos anseiam pelo novo iPhone 12 como há muito não acontecia

Expectativa é que a novidade gere um novo ciclo para o mercado de smartphones

Por Machado da Costa Atualizado em 12 out 2020, 11h54 - Publicado em 12 out 2020, 11h47

“Esperamos que o lançamento deste outono seja o evento mais significativo do iPhone em anos”, afirmou em um relatório a analista Katy Huberty, do banco americano Morgan Stanley. Não é só ela que está assim. O mundo inteiro vai acompanhar de perto o evento que a Apple vai realizar nesta terça-feira, 13. Não à toa, as ações da companhia disparam 2% nos Estados Unidos, nesta segunda-feira, 12, conforme se aproxima o grande evento.

O lançamento do iPhone 12 atrasou por um problema grave: os fornecedores não conseguiram entregar a tempo o volume de peças necessárias para colocar em produção o novo smartphone. E isso começou a intrigar especialistas em Apple. Segundo eles, o “redesenho” do iPhone é tão profundo que os fornecedores não conseguiram adaptar linhas antigas para produzir as novas peças. Foi necessário construir novas linhas de produção.

Além disso, o iPhone 12 será compatível com internet 5G, o que faz com que todo o mundo da tecnologia e das telecomunicações fiquem atentos aos “padrões” que serão estabelecidos pelo novo smartphone da Apple. Segundo analistas, a última vez que mudanças tão grandes foram empreendidas num lançamento foi em 2014, quando o iPhone 6 saiu com telas maiores e dois tamanhos diferentes. Toda a comunidade foi forçada a migrar para os novos iPhones, o que gerou algo que ficou conhecido como “superciclo”, com 231 milhões de unidades vendidas. Um recorde.

+ Siga o Radar Econômico no Twitter

Continua após a publicidade
Publicidade