Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês
Maílson da Nóbrega Por Coluna Blog do economista Maílson da Nóbrega: política, economia e história

O Brasil não estava à beira do socialismo em 2019

O discurso de Bolsonaro na ONU primou pela descrição de um cenário róseo da economia, longe da realidade, e por inverdades

Por Maílson da Nóbrega Atualizado em 21 set 2021, 12h44 - Publicado em 21 set 2021, 12h27

O discurso do presidente Jair Bolsonaro na ONU nesta terça-feira, 21, foi mais uma vez decepcionante. Na tradição brasileira, pelo menos até o governo FHC, a fala de nossos chefes de governo esteve focalizada essencialmente na visão brasileira sobre o cenário mundial. Bolsonaro usou o púlpito da ONU para novamente dirigir-se basicamente ao público interno, em particular aos seus apoiadores. 

Bolsonaro descreveu um quadro positivo da economia brasileira longe da realidade. Comemorou as demonstrações de 7 de setembro, orientadas por pautas antidemocráticas, como as maiores da história (as maiores foram as de 2013 contra o governo Dilma). Deu a entender que é o primeiro presidente a acreditar em Deus. E assim por diante. 

Duas partes de sua fala chamaram a atenção pelas inverdades. Primeira, a de que o Brasil estava à beira do socialismo quando ele assumiu. É mentira. Bolsonaro recebeu o cargo do presidente Michel Temer, que havia empreendido um conjunto impressionante de reformas estruturais, todas voltadas para reforçar as bases de uma economia de mercado e não para o socialismo. 

Sabe-se que o governo da presidente Dilma Rousseff foi desfavorável à economia, em virtude do forte aumento da intervenção do Estado nas atividades econômicas. O controle de preços dos combustíveis e a redução forçada dos preços de energia elétrica cobraram preço elevadíssimo ao país. A política de formar campeões nacionais não deu certo. Nem de longe, todavia, se configurou um plano rumo ao socialismo nesse período. Dilma não teria capital político para tal empreitada. 

A segunda foi sua afirmação de que os lockdowns respondem por boa parte da inflação mundial. Ele transpôs, para o planeta, a visão equivocada que professa no Brasil, segundo a qual os governadores têm culpa pela inflação por fecharem o comércio. É o contrário. Lockdowns significam forte retração da mobilidade urbana e das atividades econômicas. Essa medida contrai a demanda e, como tal, tem efeitos desinflacionários. 

Continua após a publicidade
Publicidade