Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Que política para a juventude terá o próximo presidente?

No 5º post da série Os Presidenciáveis e a Educação, o tema é a existência de milhões de jovens despreparados para o presente e para os desafios do futuro.

Um espectro ronda o país – o espectro da transição demográfica. Num primeiro momento, ele surge como bonança –  as pessoas vivem mais e em condições mais saudáveis. O que era uma pirâmide se transforma numa coluna – que, eventualmente, poderá se transformar numa pirâmide invertida –, aliviando temporariamente as pressões para a expansão de vagas no sistema educativo. Mas aí surge a cobrança: quem vai trabalhar para manter a economia funcionando de forma produtiva? Por quantos anos? Quem vai sustentar os aposentados e os custos de saúde de uma população longeva?

O espectro assume contornos mais nítidos – e tenebrosos – quando mostra os vários ângulos de sua cara. Boa parte dos nossos jovens de 15 a 29 anos tem baixo nível de escolaridade, e já se tornou crônica sua dificuldade de inserção no mercado de trabalho. É crescente a proporção dos nem-nem – jovens que nem estudam nem trabalham.

A reforma do ensino médio – tópico que precisa ser atacado com prudência e denodo – poderá contribuir para reduzir o problema para as futuras gerações. Mas o estoque –  a quantidade de jovens – que está a margem da economia e da sociedade representa um problema de dimensões formidáveis e consequências desastrosas para os indivíduos, para a sociedade e para a economia. Não existem saídas fáceis.

As soluções convencionais são caras e inócuas. Os programas de EJA – Educação de Jovens e Adultos –  só conseguem algum resultado positivo em circunstâncias muito especiais. Os programas de formação profissional – inclusive a maior parte do PRONATEC – são casos de perda total – repartir os recursos entre os alunos teria sido um uso melhor dos recursos.  A legislação sobre “aprendizagem’ e “estágios” inibe a procura de soluções criativas e eficazes, em nome da proteção do menor e do aluno. A mensagem da legislação é clara: pode tudo, menos trabalhar.

A experiência internacional apresenta alguns casos de sucesso e exemplos de soluções potencialmente interessantes. Também deixa claro que (a) nada substitui uma boa educação formal no tempo certo e (b) de nada adiante treinar pessoas para empregos que não existem.

O desafio se torna maior quando sabemos que esses jovens farão parte do novo contingente de longevos – e que, portanto, não apenas estão despreparados para o presente, mas estão mais despreparados ainda para os desafios do futuro.

Resta, portanto, a pergunta aos candidatos: que esperança eles trazem para a juventude, os jovens atuais e essa enorme parcela da juventude que está sendo deixada à margem da sociedade? E que esperança trazem para uma sociedade que – se não houver iniciativas eficazes agora – dentro de 30 anos contará com uma parcela significativa de idosos totalmente desprovidos de meios para lidar com os muitos anos de vida que lhes restam pela frente?

SE O SEU CANDIDATO NÃO SABE COMO MUDAR A EDUCAÇÃO, MUDE DE CANDIDATO!

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s