Mais Lidas

  1. Polícia tenta identificar bandidos que praticaram estupro coletivo em favela do Rio de Janeiro

    Brasil

    Polícia tenta identificar bandidos que praticaram estupro coletivo...

  2. China cria ônibus que 'passa por cima' de engarrafamentos

    Economia

    China cria ônibus que 'passa por cima' de engarrafamentos

  3. Família de Johnny Depp 'odiava' Amber Heard

    Entretenimento

    Família de Johnny Depp 'odiava' Amber Heard

  4. STF dá prazo de cinco dias para Temer se explicar sobre reforma administrativa

    Brasil

    STF dá prazo de cinco dias para Temer se explicar sobre reforma...

  5. Ex-ator mirim sobre pedofilia em Hollywood: ‘Fui molestado por várias pessoas’

    Entretenimento

    Ex-ator mirim sobre pedofilia em Hollywood: ‘Fui molestado por...

  6. Temer e os áudios: por que a Lava Jato preocupa também o governo interino

    Brasil

    Temer e os áudios: por que a Lava Jato preocupa também o governo...

  7. Relembre famosos que foram ameaçados por fãs

    Entretenimento

    Relembre famosos que foram ameaçados por fãs

  8. Em gravações, Sarney e Renan articulam influência sobre Zavascki

    Brasil

    Em gravações, Sarney e Renan articulam influência sobre Zavascki

Semana terá decisão do PMDB sobre rompimento com o governo Dilma

O STF deve decidir se Lula poderá assumir a Casa Civil e, assim, ter direito ao foro privilegiado. O Banco Central divulgará o Relatório de Inflação

Por: Larissa Baltazar - Atualizado em

A presidente Dilma Rousseff e o presidente do Senado Federal, Renan Calheiros (PMDB-AL)
Dilma Rousseff e Renan Calheiros: posição do PMDB pode selar o fim do governo do PT(Pedro Ladeira/Folhapress)

Na volta do feriado da Páscoa, dois eventos serão fundamentais para a definição do destino do governo da presidente Dilma Rousseff. Na terça-feira (dia 29), o PMDB faz convenção para decidir sobre a saída da base governista. A expectativa é a de que o partido tome a decisão de rompimento com o governo, apesar das tentativas desesperadas do ex-presidente Lula de provocar um racha entre os peemedebistas. Não se espera uma decisão unânime. O presidente da Câmara, Eduardo Cunha, que luta para não ser cassado, é favorável à saída do PMDB do governo, enquanto o presidente do Senado, Renan Calheiros, não mostra a mesma convicção. Quem também é favorável ao desembarque é o vice-presidente, Michel Temer, além de outros líderes importantes da sigla, como Moreira Franco e Romero Jucá.

No âmbito econômico, a divulgação da produção industrial de fevereiro, pelo IBGE, e das contas do setor público e do Relatório Trimestral de Inflação, pelo Banco Central, são os eventos previstos mais importantes. Eles vão ajudar a dar uma dimensão da profundidade da recessão brasileira e se surge algum leve sinal de recuperação.

Confira a agenda:

Segunda-feira (28):

IMPEACHMENT: A Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) vai protocolar na Câmara dos Deputados um novo pedido de impeachment contra a presidente Dilma Rousseff. Segundo Claudio Lamachia, presidente nacional da instituição, será um pedido mais abrangente, que levará em consideração não apenas as pedaladas como também as renúncias fiscais suspeitas de serem ilegais em favor da Fifa na Copa do Mundo de 2014 e, principalmente, a manobra recente para proteger o ex-presidente Lula, alvo de investigação judicial, ao nomeá-lo ministro da Casa Civil.

Terça-feira (29):

POLÍTICA: O PMDB se reúne em encontro do diretório nacional do partido para decidir se permanece na base aliada ou se rompe definitivamente com o governo Dilma Rousseff. Em reunião anterior, o partido definiu que não assumiria cargos no ministério enquanto não definisse se haveria ou não o rompimento. O posicionamento do PMDB é decisivo no balanço de forças que vai definir o impeachment.

CONSUMO: A Fundação Getulio Vargas (FGV) divulga o índice que calcula a confiança do consumidor referente ao mês de março. O indicador, que teve alta nos últimos dois meses, leva em consideração as decisões de gastos futuros - que ajudam a sinalizar os rumos de curto prazo da economia -, a situação financeira das famílias e o mercado de trabalho.

CRÉDITO: Será divulgado pelo Banco Central o valor total dos empréstimos bancários do país e os demais dados de crédito, como inadimplência, referentes ao mês de fevereiro.

Quarta-feira (30):

JUSTIÇA: Acontece a primeira sessão do Supremo Tribunal Federal depois do feriado da Páscoa. Espera-se que o plenário vote o recurso da Advocacia-Geral da União para que Lula possa assumir a Casa Civil, depois que um dos ministros, Gilmar Mendes, suspendeu a posse do ex-presidente.

FINANÇAS PÚBLICAS: O Banco Central divulga os dados de receitas e despesas do setor público em fevereiro, incluindo o resultado consolidado que inclui a União, os estados, os municípios e as estatais. Será conhecida também a relação entre a dívida pública e o PIB. São indicadores importantes para diagnosticar o estágio de deterioração das finanças públicas.

Quinta feira (31):

INTERNACIONAL: O presidente americano, Barack Obama, irá se reunir com o presidente da China, Xi Jinping, em Washington. De acordo com a Casa Branca, os líderes devem discutir novas formas de cooperação e tentar reduzir as divergências entre os países.

INFLAÇÃO: O Banco Central divulga o Relatório Trimestral de Inflação referente ao primeiro trimestre de 2016. O levantamento é importante porque traz uma análise aprofundada e atualizada do Banco Central sobre a eficácia de sua estratégia de combate ao aumento dos preços e sobre o estágio da recessão brasileira, com as projeções mais recentes para a inflação e o PIB neste ano. O documento também vai avaliar como o cenário externo impacta a economia nacional.

Sexta-feira (1º de abril):

COMÉRCIO EXTERIOR: Sai o resultado da balança comercial, uma das poucas notícias positivas da economia brasileira nos últimos tempos. Por causa da valorização do dólar e da recessão aprofundada, dois fatores que derrubam as importações, o saldo foi positivo nos dois primeiros meses do ano.

INDÚSTRIA: O IBGE divulga a produção industrial do mês de fevereiro. Depois de apresentar queda no último trimestre de 2015, a produção voltou a crescer em janeiro.

TAGs:
Inflação
PIB
Dilma Rousseff
Lula
Impeachment
PMDB