Cenário

FMI alerta para fragilidade das contas externas do Brasil

Segundo o fundo, o déficit externo está acima do que seria considerado saudável — e coloca o país na lista dos cinco mais frágeis

Christiane Lagarde, diretora-gerente do FMI, em discurso durante reunião da entidade em Washington, Estados Unidos

Christiane Lagarde, diretora-gerente do FMI (Alex Wong/AFP)

Em relatório divulgado nesta terça-feira, o Fundo Monetário Internacional (FMI) alertou para a situação "moderadamente frágil" da economia brasileira. Segundo o fundo, o déficit em transações correntes, divulgado pelo Banco Central na sexta-feira, indica que os investimentos estrangeiros não são mais suficientes para cobrir os gastos dos brasileiros no exterior. Tal conta, diz o relatório, é o maior indicativo da fragilidade do país em momentos de turbulências externas. De acordo com o FMI, o Brasil consta, ao lado de Índia, Turquia, Indonésia e África do Sul, no grupo dos cinco emergentes mais vulneráveis. Desde o início do ano, o país tem sido colocado em tal posição devido ao avanço de seu rombo. Tal constatação foi feita, inclusive, pelo Federal Reserve, o banco central dos Estados Unidos.

O Fundo Monetário apontou ainda que o déficit nas transações do Brasil com o restante do mundo também pode crescer se houver expansão dos investimentos – que estimulam as importações. Para que isso não ocorra, é preciso haver aumento da poupança interna, como a elevação do superávit primário, por exemplo.

Leia mais:
BC muda compulsório para injetar R$ 30 bi na economia​
Para Mantega, déficit fiscal de maio não importa tanto assim  
Balança comercial brasileira fica negativa em US$ 2,49 bi no 1º semestre

As transações correntes mostram o fluxo de divisas que circula no Brasil por meio de importações, exportações e transferências de recursos. O montante é composto pelas contas da balança comercial, serviços, rendas e pelas remessas ao exterior. O déficit em transações correntes do Brasil somou 3,345 bilhões de dólares em junho. Em maio, o déficit das transações ficou em 8,3 bilhões, o pior desempenho para o mês desde o início da série histórica, em 1947. No acumulado de janeiro a junho de 2014, o déficit em conta corrente soma 43,311 bilhões de dólares, o equivalente a 3,47% do Produto Interno Bruto (PIB). No acumulado dos últimos 12 meses até junho, o saldo está negativo em 81,193 bilhões de dólares, o que representa 3,58% do PIB. 

O relatório do FMI seria mais alarmante se o fundo tivesse levado em consideração os dados de 2014. O texto informa que, em 2013, o rombo externo fechou no vermelho em 2,9% do PIB, muito abaixo do verificado neste ano. A avaliação do Fundo é de que um déficit equilibrado está entre 1% e 2,5%. "Mesmo que tenham diminuído, os desequilíbrios ainda são muito grandes. Em linhas gerais, se somarmos todo mundo, eles são o dobro do que esperávamos ver. Isso não é razão para alarme. É razão para preocupação", disse Steven Phillips, do Departamento de Pesquisa do FMI, em conferência telefônica sobre o relatório, divulgado em conjunto com outro estudo sobre contágios econômicos.

Para enfrentar o desequilíbrio nas contas externas, os economistas do FMI sugerem que o Brasil adote medidas que aumentem a poupança, entre as quais reformas no sistema previdenciário, e alterem a estrutura dos gastos públicos. Phillips ressaltou que a equipe do fundo não defende mudanças "radicais" e "abruptas" para correção dos desequilíbrios globais. "Uma abordagem gradual é o mais desejável", ponderou. Segundo ele, ajustes fiscais drásticos podem ser recessivos para o país que os adote e para a economia mundial.

Assinaturas



Editora Abril Copyright © Editora Abril S.A. - Todos os direitos reservados