Mais Lidas

  1. “Determinar final de operações PF”: diz bilhete encontrado na residência de João Santana e Mônica Moura

    Brasil

    “Determinar final de operações PF”: diz bilhete encontrado na...

  2. PF descobre laços impróprios entre Toffoli e empreiteiro do petrolão

    Brasil

    PF descobre laços impróprios entre Toffoli e empreiteiro do petrolão

  3. Thammy pede sugestão de nome masculino nas redes: 'Tommi?'

    Entretenimento

    Thammy pede sugestão de nome masculino nas redes: 'Tommi?'

  4. Em imagens, o vestido da discórdia em Wimbledon

    Esporte

    Em imagens, o vestido da discórdia em Wimbledon

  5. PF prende Carlinhos Cachoeira em operação contra lavagem de dinheiro

    Brasil

    PF prende Carlinhos Cachoeira em operação contra lavagem de dinheiro

  6. Tudo o que se sabe sobre o próximo livro de 'Game of Thrones'

    Entretenimento

    Tudo o que se sabe sobre o próximo livro de 'Game of Thrones'

  7. Arroz-de-festa Geisy Arruda e outros famosos no Oscar do Pornô

    Entretenimento

    Arroz-de-festa Geisy Arruda e outros famosos no Oscar do Pornô

  8. Demitido por Ivete Sangalo, irmão hoje vende cosméticos

    Entretenimento

    Demitido por Ivete Sangalo, irmão hoje vende cosméticos

FMI alerta para fragilidade das contas externas do Brasil

Segundo o fundo, o déficit externo está acima do que seria considerado saudável — e coloca o país na lista dos cinco mais frágeis

- Atualizado em

Christiane Lagarde, diretora-gerente do FMI, em discurso durante reunião da entidade em Washington, Estados Unidos
Christiane Lagarde, diretora-gerente do FMI(Alex Wong/AFP)

Em relatório divulgado nesta terça-feira, o Fundo Monetário Internacional (FMI) alertou para a situação "moderadamente frágil" da economia brasileira. Segundo o fundo, o déficit em transações correntes, divulgado pelo Banco Central na sexta-feira, indica que os investimentos estrangeiros não são mais suficientes para cobrir os gastos dos brasileiros no exterior. Tal conta, diz o relatório, é o maior indicativo da fragilidade do país em momentos de turbulências externas. De acordo com o FMI, o Brasil consta, ao lado de Índia, Turquia, Indonésia e África do Sul, no grupo dos cinco emergentes mais vulneráveis. Desde o início do ano, o país tem sido colocado em tal posição devido ao avanço de seu rombo. Tal constatação foi feita, inclusive, pelo Federal Reserve, o banco central dos Estados Unidos.

O Fundo Monetário apontou ainda que o déficit nas transações do Brasil com o restante do mundo também pode crescer se houver expansão dos investimentos - que estimulam as importações. Para que isso não ocorra, é preciso haver aumento da poupança interna, como a elevação do superávit primário, por exemplo.

Leia mais:

BC muda compulsório para injetar R$ 30 bi na economia​

Para Mantega, déficit fiscal de maio não importa tanto assim

Balança comercial brasileira fica negativa em US$ 2,49 bi no 1º semestre

As transações correntes mostram o fluxo de divisas que circula no Brasil por meio de importações, exportações e transferências de recursos. O montante é composto pelas contas da balança comercial, serviços, rendas e pelas remessas ao exterior. O déficit em transações correntes do Brasil somou 3,345 bilhões de dólares em junho. Em maio, o déficit das transações ficou em 8,3 bilhões, o pior desempenho para o mês desde o início da série histórica, em 1947. No acumulado de janeiro a junho de 2014, o déficit em conta corrente soma 43,311 bilhões de dólares, o equivalente a 3,47% do Produto Interno Bruto (PIB). No acumulado dos últimos 12 meses até junho, o saldo está negativo em 81,193 bilhões de dólares, o que representa 3,58% do PIB.

O relatório do FMI seria mais alarmante se o fundo tivesse levado em consideração os dados de 2014. O texto informa que, em 2013, o rombo externo fechou no vermelho em 2,9% do PIB, muito abaixo do verificado neste ano. A avaliação do Fundo é de que um déficit equilibrado está entre 1% e 2,5%. "Mesmo que tenham diminuído, os desequilíbrios ainda são muito grandes. Em linhas gerais, se somarmos todo mundo, eles são o dobro do que esperávamos ver. Isso não é razão para alarme. É razão para preocupação", disse Steven Phillips, do Departamento de Pesquisa do FMI, em conferência telefônica sobre o relatório, divulgado em conjunto com outro estudo sobre contágios econômicos.

Para enfrentar o desequilíbrio nas contas externas, os economistas do FMI sugerem que o Brasil adote medidas que aumentem a poupança, entre as quais reformas no sistema previdenciário, e alterem a estrutura dos gastos públicos. Phillips ressaltou que a equipe do fundo não defende mudanças "radicais" e "abruptas" para correção dos desequilíbrios globais. "Uma abordagem gradual é o mais desejável", ponderou. Segundo ele, ajustes fiscais drásticos podem ser recessivos para o país que os adote e para a economia mundial.

TAGs:
Fundo Monetário Internacional - FMI
Poupança