Tarja - Eike Batista

Negócios

Depois do calote, OGX e Eike entram em fase de 'calvário'

Empresa terá de convencer credores de que poderá liderar um processo de recuperação judicial e saldar parte de suas dívidas

Naiara Infante Bertão
Empresário Eike Batista

Eike Batista: após calote da OGX, pedido de recuperação judicial (Fred Prouser/Reuters)

Após protagonizar um calote já aguardado pelo mercado, o empresário Eike Batista se prepara para a nova fase de seu grupo: terá de arquitetar o plano de recuperação judicial da petrolífera caloteira, a OGX, para garantir o pagamento de, pelo menos, parte de seus credores. Sem fontes de receita, porque seus poços são comprovadamente pouco viáveis, e sem credibilidade para captar no mercado, a OGX tentará escapar da falência.

A fase que se configura neste próximo mês, período que analistas estimam que Eike levará para montar o plano de recuperação judicial, é chamado no jargão empresarial de "calvário". Ou seja, o empresário carregará o peso de ser considerado inadimplente em relação a investidores nacionais e estrangeiros — e, assim mesmo, terá de percorrer uma verdadeira via-crúcis para tentar convencer credores de que conseguirá honrar ao menos parte de seus compromissos. Isso ocorre porque, de acordo com a legislação que protege as empresas em recuperação judicial, Eike só conseguirá aprovar o plano se seus credores concordarem com ele.

Leia também: Eike diz adeus à imponente sede do grupo
Depois do calote, S&P rebaixa ao menor nível as notas da OGX

É a expectativa dessa alternativa legal que fez com que as ações da petroleira subissem 14,29% no pregão desta terça-feira, cotadas a míseros 24 centavos. Isso não significa que o mercado acredite na valorização do papel. O que desejam é conter as perdas já acumuladas. Ocorre que muitos investidores fizeram operações apostando na queda ainda maior das ações da OGX - chamadas de "venda a descoberto". Contudo, caso a empresa entre em recuperação judicial, essas operações seriam automaticamente anuladas porque a empresa sairia do Ibovespa e da própria bolsa. Com isso, os investidores perderiam o valor total aplicado nesse tipo de operação, que funciona no mercado de derivativos. Ao comprar os papéis nesta terça, garantiram a cotação do dia para evitar mais perdas. "Se eles (os investidores) estivessem apostando na falência, manteriam-se 'vendidos' nos papeis (esperando uma queda ainda maior), porque assim lucrariam mais", afirma Luiz Morato, da TOV Corretora.

O desempenho das ações também mostra duas coisas: que seus credores ainda não estão dispostos a pedir sua falência e que o mercado ainda acredita que a empresa cumprirá algumas de suas promessas. Uma delas é a de que renegociará suas dívidas a todo custo. 

Eike contratou duas assessorias financeiras externas e com credibilidade no mercado - Lazard e Blackstone - para coordenar as discussões com diversos investidores, dentre eles, os detentores dos bônus cujos juros venceram nesta terça e os próprios minoritários, que já tentaram, até mesmo, bloquear os bens do empresário. "Dificilmente os credores vão pedir a falência da empresa por um motivo muito simples: eles não levariam nada da massa falida", disse ao site de VEJA Aurélio Valporto, acionista minoritário da empresa.

Leia também: 
Crise nas empresas de Eike 'arranhou' imagem do Brasil, diz Mantega
OGX pode ser primeira empresa do Ibovespa a quebrar

Segundo o investidor, o fato de grande parte dos ativos da empresa incluir apenas concessões de exploração de petróleo, caso haja falência, nenhum credor será ressarcido. "Se pedirem falência da OGX, o ativo se evapora. Não haverá quase nada na massa falida, além da participação na OGX Maranhão." O grupo de Valporto contratou o escritório de advocacia Jorge Lobo para representá-los contra a OGX, Eike Batista, a Comissão de Valores Mobiliários (CVM) e até mesmo a BM&F Bovespa em um processo judicial a ser protocolado nos próximos dias. 

Petróleo é para poucos - Segundo o especialista Adriano Pires, do Centro Brasileiro de Infraestrutura (CBIE), a situação vivenciada pela OGX mostra que o setor de petróleo é restrito a poucos — e experientes — empreendedores. "A lição que fica é de que o petróleo é um setor de alto risco, poucas certezas, o capital investido é expressivo e se trabalha com muitas probabilidades", afirma.

O pedido de recuperação judicial é aguardado para outubro, antes que vença o prazo de 30 dias aos quais a empresa tem direito para acertar suas contas com os credores cujos juros venceram nesta terça. Especialistas acreditam que a empresa fará o pedido neste intervalo porque assim conseguirá incluir o calote desta terça no valor a ser renegociado no plano de reestruturação da dívida. Ao todo, a OGX soma uma dívida de aproximadamente 3,6 bilhões de dólares em bônus emitidos no exterior, sendo 1,06 bilhão de dólares que vencem em 2022 e outros 2,6 bilhões com vencimento em 2018.

Sete empresas que também pediram recuperação judicial

1 de 7

OGX

A petroleira de Eike Batista foi a maior empresa latino-americana a entrar com pedido de recuperação judicial, em 30 de outubro deste ano. A companhia declarou dívida consolidada de 11,2 bilhões de reais no pedido de recuperação judicial e disse que não tem qualquer endividamento bancário nem créditos com garantias reais.

O pedido de recuperação da OGX marcou mais um capítulo no desmantelamento do que já foi um império industrial, com ativos de energia, mineração e infraestrutura, entre outros, do grupo "X". O fracasso da campanha exploratória da OGX, antes considerada o ativo mais precioso do Grupo EBX, contaminou as outras empresas de Eike, como a OSX.

Assinaturas



Editora Abril Copyright © Editora Abril S.A. - Todos os direitos reservados