Exclusivo VEJA.com | Internet

Vídeos de crianças no banho alimentam pedofilia

Luiz De França
bebe-nu2-youtbube.jpg

(Reprodução)

A visibilidade conquistada por anônimos que postam vídeos na internet motiva ainda mais desconhecidos a exibir supostos talentos e a escancarar sua privacidade. Nesse vale tudo para aparecer, nem crianças ficam de fora: às dezenas, elas são exibidas nos vídeos em situações aparentemente inocentes, como tomando banho - nuas, portanto -, dançando ou emulando posições sensuais. O que nem todos os pais parecem saber é que, ao colocar essas imagens na rede, podem estar abrindo mão da segurança dos filhos, segundo alerta a procuradora da República Priscila Costa Schreiner, coordenadora do grupo de combate aos crimes cibernéticos do Ministério Público Federal (MPF). Confira as dicas para evitar a exposição indevida das crianças.

Ao postar tais vídeos na rede, os pais podem inadvertidamente estar alimentando redes de pedofilia, que utilizam sites de relacionamento para troca de fotos e vídeos. "É preciso que os pais se conscientizem que, uma vez na internet, aquela imagem da criança tomando banho nua, vestindo roupas inadequadas para sua idade ou imitando poses sensuais pode ser alvo de pedófilos e correr o mundo", afirma.

No site de compartilhamento YouTube, uma das redes sociais mais vistas no mundo, é possível assistir a uma infinidade de vídeos de crianças tomando banho, por exemplo. "Isso é um prato cheio para qualquer pedófilo", diz a procuradora.

Em maio, uma operação do MPF em conjunto com a Polícia Federal prendeu 10 usuários do Orkut, maior site de relacionamento utilizado por brasileiros. Os detidos usavam o recurso de restrição de acesso a álbuns de fotografia para troca e divulgação de pornografia infantil. A pena para a distribuição do material varia de três a seis anos de prisão, além de multa.

O lugar do PC - Quando os vídeos são produzidos e publicados pelas próprias crianças sem consentimento dos pais, os cuidados devem ser redobrados, sugere a procuradora. "É preciso que os pais prestem atenção ao que a criança acessa e posta na internet", informa.

A melhor maneira para evitar isso é mudar o lugar do computador em casa: ao invés do quarto, onde a criança pode acessá-lo longe dos olhos dos pais, o melhor é deixar o equipamento em um escritório ou sala, onde a circulação dos moradores da casa é maior. "Conversar com os filhos para saber que tipo de site eles acessam e perguntar o que eles andam postando nas redes são ações simples que ajudam a prevenir problemas", afirma Schreiner.

Cyberbullying - A procuradora também chama a atenção para os vídeos que podem ser utilizados para intimidar o próprio autor. "Dificilmente um menino de sete anos tem alguma noção de que um vídeo em que ele aparece dançando como uma menina pode ser usado por outros para constrangê-lo na escola ou no futuro", diz.

Segundo dados do MPF, o número de procedimentos abertos para investigar crimes cibernéticos, que incluem cyberbullying e pornografia infantil, aumentou 318% entre 2007 e 2008. "Por isso, é importante pensar bem antes de postar qualquer imagem." 

Vídeo sem riscos

Como evitar a exposição indevida das crianças na internet

 
Para evitar...
Dica
sequestro
Não exiba imagens da escola da criança, nem nenhuma outra que exponha a rotina dela
ação de pedófilos
Vista a criança adequadamente nos vídeos: roupas muito justas ou curtas - ou mesmo o nu - pode despertar o interesse de pedófilos
cyberbullying
Se seu filho demonstra algum talento, procure a opinião de profissionais idôneos antes de exibir a imagem dele na rede
 

 

Assinaturas



Editora Abril Copyright © Editora Abril S.A. - Todos os direitos reservados