Crime

Prefeito de Jandira, na Grande SP, é morto a tiros

Braz Paschoalin foi baleado quando chegava a uma rádio da cidade

Carolina Freitas
Braz Paschoalin

Braz Paschoalin, morto nesta sexta-feira (Franz Felipe/Creative Commons)

O prefeito da cidade paulista de Jandira, Braz Paschoalin (PSDB), foi morto a tiros na manhã desta sexta-feira. De acordo com a Secretaria de Segurança Pública (SSP) do estado, Paschoalin foi vítima de um atentado. O motorista que dirigia o carro do prefeito também foi baleado. Ambos saíam do carro na Rua Antônio Conselheiro, no bairro Jardim Mirante, quando tiveram início os disparos. Segundo a Polícia Militar, eles foram alvejados por suspeitos que estavam em outro veículo.

Paschoalin foi atingido no peito e o motorista, na cabeça. Ambos foram encaminhados para o Hospital Municipal de Jandira logo após o crime. Segundo a prefeitura, o motorista ainda foi levado de helicóptero para o hospital Sameb, em Barueri. Depois, conforme a PM, foi transferido para o Hospital das Clínicas, na capital paulista, onde passa por cirurgia. O corpo de Paschoalin foi levado ao Instituto Médico Legal (IML) de Osasco. A prefeitura aguarda a liberação do corpo para agendar o velório e o enterro do prefeito. 

A PM prendeu para averiguação dois suspeitos de participação no crime. Os policiais também localizaram um carro abandonado na saída de Jandira, na Estrada Pitas. O Focus prata tinha três perfurações na lateral e cheirava a combustível.

O crime se deu por volta das 8 horas, quando o prefeito chegava à Rádio Astral. Todas as sextas-feiras, no mesmo horário, ele fazia uma participação especial na emissora, para prestar contas das atividades da administração local. No momento do assassinato, o locutor da rádio falava a respeito do prefeito. O som dos tiros é ouvido claramente durante a transmissão (ouça abaixo). 

áudio

 

De acordo com um funcionário da Segurança da prefeitura, Paschoalin costumava dispensar os dois seguranças particulares que lhe serviam para ir à rádio. "Ele nunca demostrou medo. Se recebia ameaças, não as levava a sério", disse o servidor. O motorista do prefeito, conhecido pelos colegas como Geleia, trabalhava para ele há 20 anos. Foi decretado luto oficial na cidade por cinco dias e os funcionários da prefeitura foram dispensados.

Walderi Braz Paschoalin, de 62 anos, estava em seu terceiro mandato como prefeito de Jandira. Era casado com Mara Paschoalin e tinha três filhos, Alexandre, Gustavo e Ana Paula.  O tucano ingressou na carreira política como vereador, aos 28 anos, e assumiu a presidência da Câmara Municipal. Em 1983 foi secretário de Esportes de Roberto Piteli, então prefeito de Jandira. Nas eleiçoes de 1988 foi eleito para seu primeiro mandato como prefeito da cidade.

(Com Agência Estado)

Assinaturas



Editora Abril Copyright © Editora Abril S.A. - Todos os direitos reservados