Nova York ganha exposição temporária de tuítes de Trump

Promovida por um canal televiso de humor, a "Biblioteca Presidencial de Tuítes" apresenta os mais polêmicos e engraçados posts do presidente americano

Os documentos oficiais de Donald Trump terão que esperar até o fim de seu mandato para serem arquivados na biblioteca presidencial dos Estados Unidos, mas as mensagens enviadas pelo republicano via Twitter já ganharam um espaço próprio: a “Biblioteca Presidencial de Tuítes”.

Situada em frente à Trump Tower, em Nova York, a exposição oferece um passeio bem humorado pelos populares e polêmicos posts do presidente, que foram compilados pelo canal Comedy Central e permanecerão expostos durante este fim de semana. O curtíssimo prazo chamou a atenção do público, que enfrentou nesta sexta-feira filas de mais de uma hora para entrar no espaço.

A “Biblioteca Presidencial de Tuítes” explora “a história, a ciência e a arte” dos tuítes de Donald Trump, “desde as suas primeiras tentativas de pôr seus dedos rechonchudos no telefone até a sua eclosão como um proeminente revolucionário das redes sociais da nossa era”, destaca o canal na sua página na internet.

Ao longo de diferentes seções, os tuítes mais famosos de Trump aparecem emoldurados, desde os que fazem referência ao muro na fronteira com o México até os que atacam os meios de comunicação por suas “notícias falsas“, inclusive o que contém o enigmático termo “covfefe“.

Em 31 de maio, Trump tuitou: “Apesar da constante ‘covfefe’ negativa da imprensa“. No dia seguinte, apagou a mensagem escrita pela metade, mas as redes sociais já tinham se apressado em especular sobre o significado da palavra e brincar sobre o incidente.

Outros erros de digitação de Trump são exibidos na seção “Apagados, mas não esquecidos”, que leva a uma parte da exposição dedicada aos “sobreviventes” da lábia presidencial, como o investidor Mark Cuban e o escritor Stephen King, ambos bloqueados pelo republicano em sua conta na rede social.

Se tiverem sorte e o presidente tuitar alguma mensagem em tempo real, os visitantes poderão se dirigir a uma tela e vê-la em primeira mão, alertados por uma estrondosa sirene e uma luz vermelha de aviso, como um alerta de terremoto.

Outra das curiosidades da exposição é um espaço que imita o Salão Oval da Casa Branca, onde uma privada dourada convida os mais atrevidos a se sentar e tuitar usando um tablet, em alusão aos rumores de que Trump costuma fazer o mesmo.

Além disso, algumas mensagens do presidente aparecem acompanhadas de um verificador de fatos. No tuíte”o México pagará pelo muro!”, que Trump publicou em 1 de setembro, uma ficha responde: “Certo: não há muro, assim tecnicamente o México cobriu todos os custos até esta data”.

“Desde 1939, quando Franklin Sr. Roosevelt decretou que seus documentos oficiais estariam disponíveis para todos os cidadãos, a biblioteca presidencial foi um destino essencial para as excursões escolares, já que o parque de diversões é muito caro”, aponta o “Comedy Central” em seu site. Assim, a biblioteca presidencial do Twitter de Donald J. Trump “continua esta grande tradição com uma celebração de seus documentos mais importantes: seus tuítes”, brincam os humoristas do canal.

(com EFE)

Comentários

Não é mais possível comentar nessa página.

  1. Cara redação, no telegraph.co.uk, em artigo de Chris Graham, 31 MAY 2017 você poderá encontrar os pedaços que faltam em seu artigo.
    De nada.

    Curtir